Rally Dakar 2020 será na Arábia Saudita e terá três empresários brasileiros na disputa

Rally Dakar 2020 será na Arábia Saudita e terá três empresários brasileiros na disputa

Ricardo Ribeiro

17 de dezembro de 2019 | 10h34

Fala pessoal, tudo bem? E vai chegando mais um Rally Dakar, a prova mais emblemática do mundo! A partir de 5 de janeiro de 2020, pilotos, navegadores, mecânicos e equipes vão percorrer 7.855 quilômetros no total (sendo 4.717 cronometrados) pelos desertos da Arábia Saudita.

É a primeira vez que a Arábia Saudita recebe o Dakar, que já percorreu países europeus, africanos e da América do Sul. O Dakar 2019 foi disputado 100% em território peruano.

 

Os empresários Gustavo Gugelmin (esq) e Reinaldo Varela (dir) vão representar o Brasil no Rally Dakar 2020, na Arábia Saudita, pela equipe Monster Energy Can-Am, com um UTV Can-Am Maverick X3. Foto: MCH/Divulgação

 

Na lista de inscritos para a edição 2020, apenas três brasileiros, em duas categorias. Os três são empresários de sucesso e não pilotam e nem navegam profissionalmente. O joalheiro paranaense Lincoln Berrocal, de 61 anos de idade, vai defender as cores do país na categoria Motos e é a segunda participação dele no Dakar (ele fez a estreia em janeiro de 2019, mas não terminou a competição).

Lincoln irá correr com uma moto KTM Réplica 450cc. “Desta vez estou indo com uma moto melhor do que a da edição 2019, quando tive vários problemas com o equipamento. Agora, só depende de mim e não terá mais desculpas”, afirmou.

No Peru, a moto que Lincoln alugou para correr parecia se “desmanchar” a cada dia, já que era uma moto obsoleta para uma prova como o Dakar, que exige ao máximo de homens e máquinas. Eu estava lá e vi o sofrimento do cara!

 

Lincoln Berrocal em foto no Rally Dakar 2019, no Peru. Em 2020 ele irá com uma moto KTM Réplica 450cc. Foto: André Chaco/Fotop/Divulgação

 

O piloto Reinaldo Varela e o navegador Gustavo Gugelmin vão correr nos UTVs (Can-Am Maverick X3), onde tentarão buscar o bicampeonato na categoria (eles venceram o Dakar 2018 e são os atuais campeões da Copa do Mundo de Rally Cross Country).

Varela, de 60 anos, é empresário do setor alimentício com cerca de 190 restaurantes no País, e Gustavo (37 anos) tem empresas na área de alimentação, agência de publicidade, importadora de equipamentos e acessórios para veículos e também prepara veículos de competição.

Nos próximos dias vamos falar muito sobre o Dakar: o percurso, as repercussões e polêmicas por ser na Arábia Saudita e muito mais! A prova começará dia 5 de janeiro e terminará dia 17.

Roteiro do Rally Dakar 2020

Roteiro do Rally Dakar 2020, que será disputado na Arábia Saudita. Imagem: Divulgação/ASO

 

05/01 – Etapa 01 
Etapa “Jeddah”
Jeddah-Al Wajh
Total: 752 km
Cronometrado: 319 km
A etapa de abertura está longe de ser um passeio no parque. Apresenta tudo o que compõe este rali em rápida sucessão: veloz, sinuoso, dunas, pedras. Com toda essa variedade, este mini-Dakar não deve ser subestimado.

 

06/01 – Etapa 2
Etapa “Red Sea Project”
Al Wajh-Neom
Total: 401 km
Cronometrado: 367 km
Composta principalmente por pistas, o desafio deste dia é tecnicamente acessível. Mas os participantes começarão a perceber o que torna a navegação particularmente difícil. É hora de aprender a confiar em novos marcos, quando as várias pistas paralelas causam confusão. Para motos e quadriciclos, esta também é a primeira parte da etapa “Super Maratona”.

 

07/01 – Etapa 03
Etapa “Neom”
Neom-Neom
Total: 489 km
Cronometrado: 404 km
O circuito em laço partindo da futura megacidade de Neom é uma verdadeira jóia. Levando concorrentes para a fronteira com a Jordânia, oDakar 2020 oferece uma série de desfiladeiros e montanhas para serem explorados sobre um tapete de areia. Durante a especial, o Dakar alcançará seu ponto mais alto (altitude de 1.400 metros). Para motos e quadriciclos será a parte final da etapa “Super Maratona”.

 

08/01 – Etapa 04
Etapa “Wadi Al Disah”
Neom-Al Ula
Total: 676 km
Cronometrado: 453 km
Neste dia os competidores encontrarão pistas em trechos arenosos e de cascalho. O desafio será administrar a velocidade para não se precipitar com navegação, que exigirá algumas escolhas não tão óbvias.

 

09/01 – Etapa 05
Etapa “Ha’il”
Al Ula-Ha’il
Total: 563 km
Cronometrado: 353 km
Nos arredores arenosos do dia, enormes rochas servirão como marcos para evitar erros de navegação! Menos técnicas, mas tão impressionantes como as dunas e as gigantescas colinas arenosas despertarão a atenção. As descidas, ocasionalmente com grama do deserto, exigirão habilidades de pilotagem.

 

10/01 – Etapa 06
Etapa “Qassim”
Ha’il-Riyadh
Total: 830 km
Cronometrado: 478 km
Grande mudança de cenário, com uma etapa especial 100% de areia, totalmente off-road. Após uma primeira seção relativamente rápida, vamos conhecer quem são os especialistas que terão vantagem nas dunas.

 

11/01
Dia de descanso em Riyadh

 

12/01 – Etapa 07
Etapa “Riyadh”
Riyadh-Wadi Al-Dawasir
Total: 741 km
Cronometrado: 546 km
A etapa mais longa desta edição do Dakar e também uma das mais variadas. As dunas estão espalhadas ao longo do percurso, com vários pequenos trechos cobertos por dunas de alguns quilômetros. Entre essas áreas de escalada na areia fofa, o roteiro alterna setores com numerosas passagens que exigirão muita precisão por parte dos navegadores. Alternância de trechos rápidos.

 

13/01 – Etapa 08
Etapa “Wadi Al-Dawasir”
Wadi Al-Dawasir-Wadi Al-Dawasir
Total: 713 km
Cronometrado: 474 km
Mais uma etapa em laço (larga e chega no mesmo lugar), seguindo para o sul, onde os concorrentes encontrarão paisagens montanhosas, desfiladeiros e surpreendentes contrastes de cores como pedras negras na areia branca. Quem gosta de velocidade (e tem motor para isso) terá uma reta de 40 quilômetros. Poucas áreas de dunas exigindo maior habilidade.

 

14/01 – Etapa 09
Etapa “Haradh”
Wadi Al-Dawasir-Haradh
Total: 891 km
Cronometrado: 415 km
Com esta longa etapa, a caravana do Dakar se prepara para entrar no ” Empty Quarter “. O fator crítico de sucesso será a precisão, principalmente pelo terreno mais duro e nas várias áreas mais irregulares. Precisa ter o cuidado redobrado. Ao chegar a Haradh, construída em torno do petróleo e agricultura, o Dakar 2020 entrará em uma nova fase.

 

15/01 – Etapa 10
Etapa “Maratona”
Haradh-Shubaytah
Total: 608 km
Cronometrado: 534 km
Esta etapa da maratona exige a resistência, a mais importante capacidade para um competidor de rali. Inicialmente a especial envia os competidores para as vastas extensões off-road do Empty Quarter. Não é um lugar onde você deveria ficar, como os últimos 30 quilômetros ao lado das dunas. Na chegada, apenas os pilotos poderão fazer a manutenção dos veículos. Equipes de apoio e mecânicos estão vetados.

 

16/01 – Etapa 11
Etapa ‘‘Empty Quarter’’
Shubaytah-Haradh
Total: 744 km
Cronometrado: 379 km
O dia começa como um espetáculo que dura 80 quilômetros com as melhores dunas do país, mas com o risco de ficar muito tempo atolado em um monte de areia.

 

17/01 – Etapa 12
Etapa “Qiddiyah”
Haradh-Qiddiyah
Total: 447 km
Cronometrado: 374 km
A serenidade poderá ser um aliado importante nesta etapa final. As posições na classificação ainda podem mudar. Os últimos 100 quilômetros trarão muitas dores de cabeça aos navegadores. Um trecho especial de 20 quilômetros, sem impacto na classificação geral, também selecionará o vencedor do “troféu Qiddiyah”, imediatamente antes de subir ao pódio final.

* Ricardo Ribeiro, 48 anos, já participou dos maiores ralis do mundo, como o Paris-Moscou-Ulan Bator-Pequim. Cobriu 7 vezes o ‘Paris-Dakar’, na Europa, África e América do Sul, e já trabalhou em mais de 10 Sertões.

 

* Colaborou Klever Kolberg, engenheiro, palestrante e o primeiro brasileiro a correr o Dakar ao lado de André Azevedo, nas Motos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: