Ban ki-moon admite que documento final não é ambicioso

emanuel

20 de junho de 2012 | 15h47

Emanuel Bomfim, do Rio

Em entrevista coletiva após abertura da Rio+20, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban ki-moon, afirmou que esperava um documento final mais ambicioso. “Vocês precisam levar em conta que as negociações foram muito difíceis e demoradas. O documento serve para reafirmar as políticas dos líderes mundiais. O mais importante é que o documento tenha recomendações que sejam colocadas em prática por eles. Tenho dito que este não é o fim, mas o início de muitos processos que ainda virão”, destacou.

Ban Ki-moon ainda ressaltou a importância dos líderes assumirem compromissos firmes com uma política ambiental a partir de agora e alertou sobre a necessidade de tomar medidas emergenciais. “Estamos em um caminho perigoso. A natureza não negocia com os seres humanos. Nós temos recursos limitados em nosso planeta.”

Para secretário da ONU, um dos legados da Rio+20 será seu potencial catalisador de mudanças globais. Ban ainda parabenizou o Brasil na condução das negociacões e acordo no texto final entregue a todos os chefes de Estado, mas lamentou os poucos avanços na área ambiental nos últimos vinte anos.

Tudo o que sabemos sobre:

ban ki moonnacoes unidasrio +20

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: