Brasil pode passar de anfitrião para dirigente da Rio+20, diz ONU

emanuel

14 de junho de 2012 | 14h03

Liana Leite, do Rio de Janeiro

Amanhã à noite o Brasil pode passar de anfitrião para dirigente da Rio + 20. O fato, segundo um porta-voz das Nações Unidas, acontecerá se os negociadores dos 193 países membros da ONU não concluírem o documento final com as metas do desenvolvimento sustentável até esta sexta-feira. Neste caso, as discussões continuarão sob o comando brasileiro. O fato, ainda segundo o porta-voz da ONU, tornará os diálogos mais políticos.

ÁUDIO: Ouça a reportagem!

Com relação à visão da sociedade sobre a conferência, os organizadores dizem que uma das principais dificuldades é que as pessoas ainda veem a Rio+20 como um evento apenas de meio ambiente, quando na verdade, a reunião engloba também discussões políticas, sociais e econômicas.

Um outro entrave que a cidade fluminense enfrenta são os grande engarrafamentos para chegar e sair do Riocentro, o principal local de negociações da conferência. Para se ter uma ideia, da Zona Sul até os pavilhões, leva-se cerca de duas horas de carro.

Mas apesar da desorganização do tráfego, 20 anos depois da Eco-92, a população carioca e também os turistas voltaram a respirar a economia verde. Por todos os lados é possível escutar sotaques carregados e ver estrangeiros interessados em se interar mais sobre os eventos da Conferência.

Tudo o que sabemos sobre:

documento finalONUrio+20

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: