AO VIVO: Chefes de Estado e representantes discursam

João Coscelli

20 de junho de 2012 | 09h54

Começa nesta quarta-feira, 20, a reunião de mais alto nível da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. A presidente Dilma Rousseff passou os últimos dias com os chefes de Estado do G20 no México e chega ao Rio para receber quase cem primeiros-ministros e presidentes que participam da reunião, na qual será assinado o texto oficial da conferência, aprovado na terça pelas delegações.

Dilma celebrou o documento oficial da Rio+20, classificando-o como “um grande avanço, um vitória”. O texto, porém, foi aprovado às pressas sob o comando da delegação brasileira nos primeiros dias da conferência e provocou críticas entre ambientalistas e ONGs. Acompanhe aqui o discurso da presidente e de outras autoridades, transmitido pela ONU neste link http://webtv.un.org/live-now/watch/rio20-plenary-meetings-see-schedule-for-more-details/1685917483001.

12h18 – Quase 20 minutos depois de começar o discurso, Mugabe termina dizendo esperar que a Rio+20 seja o primeiro passo na direção de mudanças significativas nas políticas ambientais do planeta.

12h10 – O ponto principal do discurso de Mugabe – que durou bem mais que cinco minutos – foi a importância da economia verde como o único caminho para salvar as populações rurais da África das mudanças climáticas. Mugabe disse falar “em nome dos países em desenvolvimento”.

12h05 – Enquanto os chefes de Estado discursam, ativistas protestam em uma área do Riocentro contra os subsídios para combustíveis fósseis. O conceito utilizado no protesto foi o de linha vermelha, o limite ao qual o mundo chegou.

11h59 – Depois do presidente do Tajiquistão, quem discursa é o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, polêmica figura entre as lideranças da África.  Mugabe preside o país africano há quase 25 anos e está proibido de viajar para vários países. Ele é considerado um dos “ditadores modernos” por analistas do cenário internacional

11h50 – O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, já está o Rio de Janeiro.

11h43 – O tempo máximo destinado a cada um dos pronunciamentos é de cinco minutos – o que tem sido respeitado até agora.

11h35 – Parte do discurso a ser feito por Dilma à tarde foi antecipado por meio de uma fonte da delegação brasileira. A presidente pedirá à lideranças internacionais, que busquem soluções de longo prazo para problemas atuais, com críticas a medidas imediatistas, sobretudo em relação à crise internacional.

Dilma ainda dirá que o mundo perdeu a capacidade de pensar a longo prazo na busca de soluções rápidas, numa referência à atual crise econômica internacional. O tom do discurso será de “olhar para o futuro”, contou a fonte sob condição de anonimato.

11h27 – Todos os representantes apontam falhas no documento e dizem que o texto não contempla as principais exigências dos Major Groups. Mas dizem que não é muito tarde e que há tempo para mudanças – os três dias durante os quais os líderes mundiais estarão reunidos no Riocentro.

11h20 – As palavras e a retórica usada são as mesmas – estamos em um momento crítico, o futuro está em risco e há apelos para que os chefes de Estado tomem, de fato, atitudes. O sentimento de frustração predomina.

11h15 – Os representantes dos chamados Major Groups também farão breves pronunciamentos. O tom é de fortes críticas ao documento aprovado. Os representantes se dizem extremamente frustrados, já que o documento não contempla nenhum objetivo pontual para que haja uma mudança de situação.

10h57 – “Esta é uma ocasião histórica”, diz Patriota, completando que a Rio+20 é uma oportunidade única, 20 anos depois da Eco-92, para que os chefes de governo e Estado olhem para o futuro e tomem medidas pelo desenvolvimento sustentável.

10h54 – Dilma afirma que expressará a posição brasileira sobre os temas debatidos na Rio+20 na sessão plenária da parte da tarde. Patriota é chamado.

10h53 – “Nessa breves palavras quero agradecer o mandato que acabaram de me conferir. A expressiva liderança mundial que hoje acorre ao Rio indica o compromisso dos Estados com a complexa e urgente agenda do desenvolvimento sustentável”, diz Dilma, dizendo-se certa de que a Rio+20 atingirá seus objetivos.

10h52 – “Agradeço a todos os presentes a eleição como presidente da conferência”, inicia Dilma.

10h51 – Dilma é chamada para fazer a abertura da Rio+20.

10h49 – Segundo Ban Ki-moon, há consenso entre todas as delegações que Dilma seja a presidente da conferência. Os aplausos confirmam a informação – e Dilma na presidência. O chanceler Antonio Patriota será o vice-presidente e vai liderar as plenárias na ausência de Dilma.

10h47 – Ban Ki-moon bate o martelo e inicia oficialmente a conferência. Ele anuncia os procedimentos comuns – a eleição do presidente da conferência e outros trâmites – e, em português, se diz muito feliz de voltar ao Brasil. Ele agradeceu o País por tomar a frente as discussões.

10h46 – “Nós, a próxima geração, exigimos ações, exigimos mudanças, para que assim tenhamos um futuro. Confiamos em vocês nas próximas 72 horas para colocas os nossos interesses acima de todos os outros e fazer a coisa certa”, continua. “Pensem por que estão aqui. Estão aqui para salvar a Terra, ou para salvar a nós mesmos?”, finaliza.

10h44 – “O tempo está passando, e está se esgotando. Vocês tem três dias para salvar o futuro dos seus filhos. Dos meus filhos. Dos filhos dos meus filhos”, apela a garota.

10h42 –  Fala agora a neozelandesa Brittany Trilford. Estudante de 17 anos, ela ganhou um concurso internacional promovido por uma ONG com um vídeo de 3 minutos gravado em sua casa. “Hoje, represento as 3 bilhões de crianças do mundo. Pense em mim como metade da população. Peço a vocês que trabalhemos para mudar a atual situação”, pede ela aos chefes de Estado.

10h40 – O secretário-geral diz que, antes da abertura, será passado um vídeo mostrando a atual situação do planeta. O vídeo fala da revolução industrial, dos desenvolvimentos tecnológicos e do impacto que essas evoluções tiveram no meio ambiente.

10h35 – Ban Ki-moon pede que os presentes tomem seus lugares.

10h21 – A ONU acaba de informar que a presidente Dilma fará um rápido pronunciamento de abertura agora às 10h30. ela fará seu discurso oficial somente às 16h.

10h16 – Devem discursar também nesta quarta os presidentes do Paraguai, Fernando Lugo, do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, e da França, François Hollande, além do primeiro-ministro da China, Wen Jiabao.

10h10 – A segurança tem atrapalhado o trânsito nas proximidades do Riocentro neste primeiro dia de cúpula de chefes de governo e Estado. Há várias barreiras do Exército e da Polícia Militar nas vias de acesso ao evento que permitem apenas a passagem de veículos credenciados para a conferência.

10h06 – A sala plenária, onde os líderes se reúnem, foi vetada para os jornalistas que cobrem a Rio+20. Apenas fotógrafos serão permitidos no local, e por um breve período de tempo. As medidas fazem parte do esquema de segurança montado pela organização da cúpula.

9h59 – Os chefes de Estado e governo começam a chegar à sala plenária, onde farão seus discursos. Já há movimentação no espaço.

9h51 – Dilma e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, devem falar ao início da cúpula de chefes de Estado. A presença da presidente brasileira na abertura era incerta até a noite da terça-feira.

9h45 – A ONU informou que foram entregues 38.442 credenciais para o Riocentro desde o início da Rio+20, incluindo 9.796 para delegações, 6.877 para ONGs e Major Groups e 3.351 para jornalistas. Inicialmente, falava-se em 50 mil participantes. A conferência termina na sexta-feira.

9h30 – O governo confirmou a participação de 94 líderes mundiais na Rio+20. O evento, porém, não receberá o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o presidente americano, Barack Obama, e a chanceler alemã, Angela Merkel.

Tudo o que sabemos sobre:

aberturacúpula

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.