Izabella Teixeira defende criação de fundo de transição para a economia verde

João Coscelli

14 de junho de 2012 | 14h21

Glauber Gonçalves e Mariana Durão, do Rio

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, defendeu que a proposta de criação de um fundo global para financiar a transição para uma economia verde seja analisada com olhos voltados para o médio e o longo prazo na Rio+20.

ESPECIAL: A cobertura da Rio+20
ARQUIVO: A Eco-92 nas páginas do ‘Estado’

“A conferência acontece no curto prazo mas tem mandato para buscar soluções permanentes e concretas de longo e médio prazo”, declarou a ministra quando questionada se as dificuldades da economia mundial poderiam dificultar o avanço da proposta defendida pelo G7 e a China de criação de um fundo internacional de US$ 30 bilhões por ano com esse fim.

A ministra negou que os países desenvolvidos estariam irredutíveis em ceder em algumas das negociações em andamento na Rio+20. Izabella participou de evento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) para apresentar um relatório com iniciativas de sustentabilidade implementadas pelo setor.

Para Izabella, as discussões sobre o papel da indústria na construção de uma economia sustentável devem ser feitas globalmente. Ela indicou que a chave para isso é o incremento da competitividade e a realização de investimentos mais transparentes em sustentabilidade. “Estamos falando de mercado, de inovação tecnológica, de custos e também de aspectos regionais. Temos que entender onde estão as assimetrias e buscar uma visão de médio e longo prazo”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:

economia verdeIzabella Teixeira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: