Lagoa Rodrigo de Freitas ganha telão d’água durante a Rio+20

emanuel

17 de junho de 2012 | 18h15

012_AQUA15_MR.jpg
(Foto: Divulgação)

Por Emanuel Bomfim e Paulina Chamorro, no Rio

O efeito visual é impressionante, mas quem deve estar “comemorando” são os peixes que vivem na Lagoa Rodrigo Freitas, na zona sul do Rio de Janeiro. Com a instalação de um telão de 600 metros quadrados, formado por jatos de água, a lagoa passou a ser mais bem oxigenada, aliviando um pouco o excesso de esgoto e outros sedimentos que são despejados no local, um dos cartões postais da capital fluminense.

A instalação provisória é o principal chamariz do projeto Aqualume, espécie de plataforma para apresentar ao público as ações do Movimento Cyan e o projeto Água Brasil, voltados para educação ambiental na preservação dos recursos hídricos.

“Quem sabe isso não se torne um presente definitivo para a cidade?”, adianta Ricardo Rolim, diretor de relações socioambientais da Ambev, empresa promotora do evento.

Até o final da Conferências das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável, no dia 24, o telão irá receber diversas projeções audiovisuais, sempre no período da noite, entre 19h e 22h. Atrações circenses e musicais também fazem parte da programação do Aqualume na Rio+20. Veja aqui a programação completa.

004_AQUA15_MR.jpg
(Foto: Divulgação)

Tudo o que sabemos sobre:

AqualumeLagoa Rodrigo de Freitasrio+20

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: