Marina alfineta Lula e cobra ‘posição’ de Dilma

gabrielacupani

19 de junho de 2012 | 17h19

Antonio Pita, do Ri

Em um discurso na Cúpula dos Povos nesta terça-feira, dia 19, Marina Silva alfinetou a aliança entre o PT de São Paulo e o ex-prefeito Paulo Maluf. Segundo a ex-senadora, para alguns políticos  “vale misturar água e óleo para ter tempo de TV.” O pronunciamento, feito em uma das principais plenárias da Cúpula, foi aplaudido de pé pelo público que mais uma vez ovacionou Marina Silva e seu posicionamento contrário aos rumos do documento oficial da Rio+20.

“Eles acreditam que só existe a política do pragmatismo, acreditam que vale misturar água e óleo apenas para ganhar mais tempo na televisão sem nem saber sobre o que propor”, afirmou Marina Silva, que foi ministra do meio-ambiente durante o governo Lula.  Ontem o ex-presidente anunciou aliança com Paulo Maluf em apoio à candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo.

Perguntada se o discurso se referia à aliança do PT com Maluf, a ministra desconversou e preferiu não comentar o anúncio do apoio. “Desde a minha candidatura à presidência eu falo sobre o problema das alianças eleitorais e desta visão de política pragmática”, disse a senadora após o discurso.

Na plenária, a ex-senadora também cobrou da presidente Dilma um posicionamento em relação ao documento oficial da Rio+20. “Queria mandar um recado para a presidente e dizer para ela não perder a oportunidade de fazer a diferença. A primeira mulher presidente precisa marcar uma posição e defender objetivos específicos para a governança do debate ambiental e pela criação do fundo de financiamento.”

Marina também disse que o mundo precisa de mais comprometimento em relação à questão ambiental e ressaltou que não está fazendo oposição ao governo, mas sim “demarcando uma posição”. Para a ex-ministra do meio-ambiente, “o mundo não precisa mais da dicotomia entre oposição e situação, aliás, ninguém sabe mais quem é situação ou oposição.”

Marina também convocou o público a rejeitar o pragmatismo. “Não sejam pragmáticos, realistas e objetivos. Sejam sonhadores. Se eu fosse pragmática, nunca teria sido professora, vereadora, senadora e até candidata a presidente. Quem conquistou a democracia foi o nosso sonho. Portanto, sejam sonhadores”, disse Marina, encerrando o discurso sob fortes aplausos do público presente na arena.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: