ONGs se reúnem com Ban Ki-moon e insistem em ‘fracasso’ da Rio+20

gabrielacupani

22 de junho de 2012 | 12h17

Herton Escobar, enviado especial ao Rio

O fracasso da Rio+20 não pode ser atribuído exclusivamente ao Brasil nem à ONU. Mas a postura “desesperada” do Brasil de “fechar um documento a qualquer custo” colocou a conferência no rumo do “menor denominador comum”, na opinião do sul-africano Kumi Naidoo, diretor-executivo do Greenpeace Internacional.

Ele foi um dos 36 representantes da Cúpula dos Povos (evento paralelo à Rio+20 que ocorre no Aterro do Flamengo) que se encontrou com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, nesta sexta-feira, 22, de manhã no Riocentro. A ONU vetou a entrada de jornalistas e fiz um cordão de isolamento na frente da sala, para evitar que Ban fosse abordado na saída. Ele saiu sem falar com a imprensa.

Segundo relatos de Naidoo e outras pessoas que estavam na sala, Ban ouviu as preocupações com o “fracasso” da conferência, mas manteve o discurso de que os resultados da Rio+20 são significativos e ambiciosos. Anteontem, Ban havia dito em entrevista coletiva que concordava com a percepção geral de que o documento final da conferência poderia ser mais ambicioso. Ontem, porém, voltou atrás e mudou o discurso, após ser pressionado pelo Brasil.

Sharan Burrow, secretária-geral da International Trade Union Confederation, se mostrou indignada com a “falta de coragem” dos chefes de Estado de negociar um documento mais ambicioso, aceitando o texto “sem conteúdo” produzido pelos “burocratas”. “Sinto-me profundamente irritada e frustrada”, disse.

Desde quarta-feira, chefes de Estado dos 193 países-membros da ONU se revezam num pódio do Riocentro, um após o outro, para discursar sobre o que o seu país pensa do desenvolvimento sustentável.  Na maioria dos casos, falam para uma plenária quase que vazia, discursando apenas para a televisão e para os arquivos da ONU. Como o documento final da Rio+20 já está fechado desde terça-feira, a conferência ficou quase que sem nada para resolver nesses últimos três dias.

“Os líderes chegam aqui para uma cúpula de três dias, com um texto sobre a mesa que não tem ambição nenhuma, e não passam nem uma hora que seja discutindo o texto”, criticou Naidoo, lembrando que as viagens das comitivas são pagas com dinheiro público.

A conferência está agendada para terminar esta tarde, com uma sessão plenária na qual serão aprovados (ou não) os documentos negociados nos últimos dias. O principal deles, chamado O Futuro que Queremos, criticado pelas ONGs, foi costurado pela diplomacia brasileira. Ele poderia ter sido negociado até o último minuto da conferência, mas o Brasil pressionou para que o documento fosse fechado na terça-feira, antes da chegada dos chefes de Estado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.