Pnuma deve virar agência independente, diz diretor

gabrielacupani

15 de junho de 2012 | 14h49

Tiago Rogero, do Rio

O diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, disse nesta sexta-feira, 15, que está confiante na transformação do órgão em uma agência independente até o fim da Rio+20. A alteração é um dos principais pontos de impasse entre os negociadores, conforme revelou ontem o secretário executivo da delegação brasileira na Rio+20, embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado.

Para Steiner, o fortalecimento do Pnuma é um dos “resultados potenciais” da Rio+20. “Espero que sim (que o Pnuma se torne uma agência independente), porque a maioria dos países têm a prioridade de fazer qualquer coisa para reforçar a capacidade de governança ambiental internacional”, disse, depois de palestra no stand do programa no Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca.

Segundo ele, não há nenhum país que seja “contra a evolução” do Pnuma, “mas há perspectivas diferentes”. O diretor espera a ajuda do Brasil na questão. “Mas não é uma posição nacional que vai determinar a da comunidade internacional. É uma negociação, penso que é papel principal do Brasil, neste momento, dar liderança e facilitar um consenso. O governo brasileiro mandou um sinal de que está aberto para ajudar neste papel”, disse. (Tiago Rogero)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.