Rio+20 bane impressão de papel e gera reclamação

gabrielacupani

15 de junho de 2012 | 13h07

Liana Leite/ Rádio Estadão ESPN
A iniciativa da organização da Rio+20 de praticamente banir as impressões em papel dos eventos tem provocado reclamações nos corredores do Riocentro. Em diversos pontos, foram instalados estandes que recebem o nome de paper smart (papel inteligente). A ideia é imprimir apenas o estritamente necessário. E além disso, o papel utilizado é mais sustentável do que os tradicionais, porque é fabricado sem a emissão de carbono.

Segundo o assessor para distribuição de documentos do Riocentro, Pedro Bassul, quando representantes de organizações não governamentais, integrantes da imprensa ou delegados pedem alguma impressão, os responsáveis pelo paper smart tentam direcioná-los para o site da conferência, onde as Nações Unidas estão disponibilizando a maioria dos arquivos.  Se a pessoa insistir muito, como ocorre com frequência, o pedido será analisado e o documento só será impresso se não estiver no site rio20.un.org ou mediante autorização dos coordenadores. Bassul enfatiza que nada pessoal pode ser impresso.

No entanto, para os delegados a flexibilidade é maior. A restrição de uso de papel é mais severa com ONGs e com a imprensa. Bassul afirma que a medida tem enfrentado alguma resistência, porque “tira as pessoas das suas zona de conforto”, já que a maioria está acostumada a imprimir sempre, mesmo que vá descartar o papel momentos depois. “Uma conferência sobre sustentabilidade precisa ter atitudes sustentáveis.”

Tudo o que sabemos sobre:

impressaopapelrio+20

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: