Redskins devem mudar o nome?

robertolira

08 de outubro de 2013 | 18h00

Redskins

A polêmica é antiga, mas foi reavivada nesta semana pelo presidente Barack Obama: deve o time dos Washington Redskins mudar de nome, considerado ofensivo e racista com os americanos nativos? Obama disse em entrevista à Associated Press que, se fosse o dondo do time, cogitaria a mudança.

Não é só uma questão de ser politicamente correto. De fato, no processo de ocupação de territórios nos Estados Unidos e de desenvolvimento econômico do país, praticou-se um quase genocídio. Nações inteiras sucumbiram às guerras, doenças e à fome.

Quando foram aculturados, os índios eram tratados como cidadãos de segunda classe e uma das formas para se referir a eles era exatamente os “peles-vermelhas”, que conhecemos aqui nos filmes de faroeste. Para os indígenas, “redskin” é um insulto equivalente ao “nigger” para os afro-americanos.

Do ponto de vista econômico, no entanto, a decisão de trocar o nome pode soar absurda. Os Redskins são simplesmente a terceira marca mais valiosa da NFL, a liga mais cara do mundo. Segundo a Forbes, o time vale US$ 1,7 bilhão e a franquia rendeu lucro de mais de US$ 100 milhões em 2012.

Após a entrevista de Obama, o advogado do Redskins, Lanny Davis, publicou a resposta do time no site oficial. Além de destacar o respeito que a agremiação tem por todos os grupos raciais e étnicos, ele lembrou de duas pesquisas sobre o assunto. Em 2004, segundo esse advogado, 9 em cada 10 americanos nativos pesquisados disseram não se importar com o nome. Em abril passado, oito entre 10 americanos afirmaram o mesmo.

Um simpósio organizado pelo Oneida Indian Nation na próxima semana vai discutir esse tema. Mas a decisão final cabe ao proprietário da franquia, Dan Snyder, que já afirmou que tal mudança jamais ocorrerá.

Tudo o que sabemos sobre:

futebol americanoNFLWashington Redskins

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.