A nova chance de Ronaldinho

Robson Morelli

16 de novembro de 2010 | 09h18

Esta semana é especial para Ronaldinho Gaúcho porque marca sua volta à Seleção Brasileira. É a primeira chance do jogador na era Mano Menezes, e diante de um rival, a Argentina,  bom de se jogar. O treinador passou uma semana na Europa observando os jogadores brasileiros. Conversou com Ronaldinho. Como Dunga fez, tenta resgatá-lo.

O bom, dessa vez, é que Mano sabe que o meia não é mais aquele dos tempos de Barcelona. E que ele não precisa ser genial durante os 90 minutos de uma partida. Isso dá certo alento ao atleta. Não vai jogar pensando em ser gênio, como já foi um dia. Mano quer Ronaldinho importante ao time, aos seus companheiros e a si próprio. Esse novo caminho pode ser a saída ou o recomeço. No Milan, o brasileiro até que teve um bom início de temporada, mas já perde espaço. Há quem diga que o treinador lá começa a desistir dele.

Penso que depende mais de Ronaldinho do que de qualquer outro sua volta em grande estilo ao time brasileiro. É claro que bem posicionado, ele pode render melhor. Mas o jogador já esteve em todos os setores do campo e ainda não recuperou metade do seu futebol. A chance foi dada. Ronaldinho tem a oportunidade, que muitos não tiveram, de brilhar novamente na Seleção. Só depende dele: pode encantar o mundo por mais alguns anos facilmente ou pode continuar a ganhar seu salário feito mais um entre tantos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.