A dança das cadeiras já começou

Robson Morelli

22 de fevereiro de 2012 | 23h37

Vanderlei Luxemburgo foi contratado pelo Grêmio no lugar de Caio Júnior. Negociação rápida. Particularmente, gosto mais do ex-treinador do Flamengo do que do ex-comandante do Botafogo, ambos demitidos de clubes do Rio de Janeiro.

Esse é o problema do futebol brasileiro. Não há renovação. O Zé que não serve aqui vira rei lá. E os treinadores vão trocando de cadeira sem vergonha e respeito com os colegas. Luxemburgo estava desempregado e, portanto, livre para qualquer sondagem e convite. O papelão, nesse episódio, foi da diretoria do Grêmio, que demitiu Caio Júnior após oito jogos no comando do time.

Na linguagem dos cartolas, quase todos despreparados e tementes à… TORCIDA, é bom cortar o mal pela raiz. Ou seja: oito rodadas atrás Caio Júnior era o cara ideal para o Tricolor Gaúcho. Três derrotas depois, era uma erva daninha.

A reformulação do futebol também passa pela reciclagem desses dirigentes. Poucos batem no peito e levam o planejamento de um trabalho até o fim, custe o que custar. O mesmo que é contratado agora para solucionar todos os problemas do elenco, pode ser demitido lá na frente por falta de competência. A conduta descabida é comum em todos os times do futebol brasileiro.

Aí o clube fica pagando um treinador que já mandou embora e gasta mais dinheiro com o que está chegando. É ou não é uma administração de dar inveja? Isso quando pagam, é claro. E olha que estamos no fim de fevereiro ainda.

CARNAVAL
Abro espaço aqui para também condenar o que aconteceu na apuração do carnaval de São Paulo. Bagunça generalizada por não aceitarem as notas dos jurados. Lembro ao amigo que nem sempre foi assim. Essa disposição de brigar por tudo no carnaval ganhou corpo quando as torcidas uniformizadas do futebol resolveram abandonar as arquibancadas para fazer arruaças na avenida. Vira e mexe os torcedores, que são os mesmos, aprontam no Sambódromo, saem destruindo tudo o que encontram pela frente, aterrorizam a cidade como se ela fosse deles, certos da impunidade de que desfrutarão. É claro que estou me referindo à Gaviões da Fiel, mas poderia ser gente da Mancha ou Dragões da Real. Até quando vai ser assim?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.