A paradinha de Neymar contra Ceni

Robson Morelli

08 de fevereiro de 2010 | 20h57

A paradinha de Neymar na frente de Rogério Ceni foi diferente, mas tão linda quanto o gol minutos depois de Robinho. Formou-se então aquela velha discussão se a tal malandragem era legal. Ceni ficou irritado. E não era para menos. O goleiro, e não só ele, mas qualquer um nessa situação, fica com cara de bobo diante da conclusão do batedor. É bola num canto e goleiro no outro. A verdade é que humilha. Na Europa também é permitido dar a paradinha. Ocorre que lá, diferentemente daqui, o sangue dos batedores é mais quente. E a qualidade técnica mais fria. A paradinha é mais ou menos como os dribles de Garrincha. Não era proibido, mas só ele fazia, só ele sabia. Ou ainda as pedaladas de Robinho. Humilhante para o zagueiro. Alegria para o torcedor. Ceni chegou a chamar de ‘varzea’ o gol de Neymar na Arena Barueri. Achei lindo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.