A última chance do Imperador

Robson Morelli

22 de agosto de 2012 | 13h40

Amigo do futebol, hoje a bola vai rolar. O Palmeiras visita o Botafogo pela Sul-Americana com a cabeça no Brasileirão. Felipão precisa achar o caminho para reagir e se afastar da zona de rebaixamento de uma vez por todas. O time ganha uma e perde outra, e está com a cabeça a prêmio desde que começou a competição. A notícia da semana, no entanto, é a volta de Adriano ao futebol.

O jogador assinou contrato com o Flamengo como tramou desde o dia em que abandonou o Corinthians. Isso foi em abril. De lá para cá, o atacante processou o clube paulista, passou por nova cirurgia no tendão de Aquiles, andou metido em algumas confusões e agora reaparece para vestir a camisa 10 do Flamengo, a mesma que já foi de Zico.

A decisão de contratar Adriano é da presidente do clube, Patrícia Amorim, e de mais ninguém. O Flamengo tem esse dom: o de resgatar e dar uma, duas, três chances a seus ‘filhos’. É a grande mãe do futebol brasileiro.

Clinicamente, Adriano está recuperado da contusão que o impedia de jogar. Em todos esses meses afastados, inclusive quando estava no Corinthians, onde jogou bem pouco, o Imperador brigava com a balança, tentando fazer de seu corpanzil algo mais atlético.

Sua sina de fazer o ponteiro da balança não avançar tanto para a direita continua. Ninguém que fica parado por tanto tempo volta fininho, principalmente conhecendo o histórico de quem é. No mínimo, ele vai precisar de um mês. Tirando as mancadas nas sessões de fisioterapia em que ele faltou no Ninho do Urubu, acusadas pela própria diretoria do Fla, Adriano se comportou quase sem chamar a atenção nesse exílio. Teve aquele ‘tirinho’ na mão de uma menina no Rio, na véspera do Natal, mas isso foi explicado pelo delegado que cuidou do caso, e pelas garotas envolvidas. Adriano reconheceu que deve essa recuperação a ele próprio.

Se conseguir, aos 30 anos, terá ao menos uma despedida um pouco mais honrosa de uma carreira que começou bonita. É justo acreditar nas pessoas, mesmo sendo Adriano. A torcida do Flamengo certamente dará apoio a ele e está feliz com sua volta. Até a primeira lambança. Tomara que não aconteça, mas duvido que tenha alguém na Gávea seguro de que o Imperador mudou. Patrícia sabe que o contrato é de risco. E alto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.