A volta de Kaká

Robson Morelli

30 de dezembro de 2010 | 11h51

Kaká está prestes a voltar a jogar pelo Real Madrid. Será na primeira semana de janeiro, pelo Campeonato Espanhol. O jogador ficou praticamente esse segundo semestre inteiro de molho. Já na Copa do Mundo chegou baleado e transformou seus dias em Johannesburgo em sessões de fisioterapia e de exercícios localizados. Não fez um Mundial com a grandeza de sua assinatura. Kaká nunca passou por fase parecida, nem quando era jogador do São Paulo.

Em 2010, trabalhou sob o signo da desconfiança. Terá agora em 2011 de provar ser o mesmo Kaká de outras temporadas, aquele das passadas largas em direção ao gol. Muitos já cobram dele no Real Madrid. Querem resultados. E ele parece ter sentido a maldição dos craques que chegam ao Santiago Bernabéu. Cristiano Ronaldo ocupou seu lugar e o time soube se virar sem o brasileiro. O que já se diz é se vale a pena ter um jogador dessa monta no elenco. O meia vai precisar de pelo menos mais três meses para mostrar algum resultado em campo, isso, tomara a Deus, se não voltar a sentir suas dores, se não se machucar novamente.

Seu nome é comentado na Inter de Milão, agora de Leonardo. Mas seria difícil para ele voltar para o maior rival do Milan, onde brilhou desde que deixou o Morumbi. Os italianos não aceitam essa traição, e o bom moço Kaká seria perseguido na Itália. Duvido que faça isso. Leonardo aceitou o cargo na Internazionale porque estava desempregado, já não tinha mais nada com o Milan, apesar dos 13 anos que viveu lá entre jogador, dirigente e treinador.

Kaká faz falta aos olhos do torcedor brasileiro e mundial. Ele sabe disso. Ele está otimista em poder voltar e voltar a ser o que era. A Copa da África ficou para trás e ele tem consciência de que perdeu chance enorme de se firmar no cenário mundial. Os melhores brilham em Copas. E era a sua na África do Sul. Acabou sendo a de Sneidjer e a da Holanda. A de Villa e Xavi e também a da campeã Espanha. Não foi a do Brasil, a de Dunga, a de Kaká.

O mundo aguarda seu retorno aos gramados, principalmente os torcedores de Madri.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.