Aguirre, certamente, está na lista da Associação Uruguaia de Futebol para comandar a seleção

Aguirre, certamente, está na lista da Associação Uruguaia de Futebol para comandar a seleção

Treinador do São Paulo tem contrato até o fim do ano e vai cumpri-lo, mas depois...

Robson Morelli

19 de julho de 2018 | 16h23

Diego Aguirre é um sujeito tranquilo, que usa quase sempre a mesma roupa nas partidas, com sua camisa azul clara e calça azul marinho, combinação simples como é sua presença à beira do gramado. Não é de fazer “caras e bocas” no comando do time. Prefere ser filmado estudando a partida, pensando no que pode fazer para melhorar seu time. Dessa forma, ganhou a todos no São Paulo, e faz um trabalho, no mínimo, honesto. Pode parecer pouco, mas nos dias de hoje, de treinadores supervalorizados e expostos diariamente, não é. Aguirre tem conduta na medida certa.

Mais do que isso, faz um trabalho bem feito. Deu padrão ao São Paulo, que não tinha, e conseguiu convencer os jogadores do que a equipe precisa nesta temporada. Não lhe falta empenho em campo, embora também não lhe sobre futebol. Esta na conta. E essa conta colocou o São Paulo na parte de cima da tabela do Campeonato Brasileiro. Neste ano, ainda tem a Sul-Americana para disputar. E, cá entre nós, é muito bom para o Tricolor ter um uruguaio no comando em competições sul-americanas.

O problema do São Paulo será manter Aguirre em 2019 caso a seleção uruguaio requisite seu trabalho. O “Maestro” Oscar Tabárez comandou o time nacional pela quarta vez numa Copa do Mundo, a terceira seguidamente. Aos 71 anos, ainda não sabe se vai continuar no posto. Isso também tem a ver com seu problema para se locomover, causado por uma doença que afeta seu sistema nervoso. Ele e sua família vão precisar decidir sobre o futuro, assim como a Associação Uruguaia de Futebol terá de acenar para sua permanência. Até agora as partes não se manifestaram. Assim como a CBF, lá no Uruguai o trabalho continua e alguns amistosos da seleção estão sendo marcados.

O São Paulo fez um contrato com Aguirre até dezembro deste ano. E ele vai cumprir esse acordo, mesmo já admitindo que seria difícil dizer “não” para a seleção do seu país. Então, se chamar, Aguirre vai, mas terá de ser após a temporada do futebol no Brasil. Dessa forma, o São Paulo terá de aproveitar tudo o que pode de seu treinador, e já pensar num plano para 2019. Tudo vai depender da seleção uruguaia. Nem adianta agora o clube negociar a permanência do técnico, o que vai acontecer naturalmente se o Uruguai não optar por ele para o ciclo da Copa do Mundo de 2022. Os são-paulinos terão de esperar um pouco mais para saber.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.