Aguirre ‘chuta o balde’ no vestiário do São Paulo após empate com o América-MG

Treinador não aceitou o resultado em casa, com gol sofrido no fim do segundo tempo

Robson Morelli

24 Setembro 2018 | 13h21

Diego Aguirre tem se mostrado um treinador tranquilo à beira do gramado, comandando o São Paulo, líder do Campeonato Brasileiro. Mas não foi esse Aguirre calminho que entrou no vestiário do Morumbi após o empate por 1 a 1 com o América de Minas, sábado, pela 26.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador cobrou seu jogadores como nunca antes nesta temporada, de acordo com relatos de presentes.

Aguirre sabe que o São Paulo joga no seu limite e, dessa forma, tem se sustentado na ponta da tabela. Mas sabe também que tem contado com derrapadas do até então rival direto, o Internacional, que, como ele, joga no limite, sem sobras. Aguirre pegou pesado porque sente no elenco uma recaída, dificuldades para ganhar, falta de concentração ou de capricho. E entende que os jogadores podem render mais. Os dois pontos deixados para trás contra o América poderão fazer falta no fim da competição. O São Paulo, com a vitória, poderia ter conseguido folga na ponta da tabela. Na próxima rodada, se não vencer e ver seus rivais ganhando seus respectivos compromissos, perderá a liderança.

Aguirre mexeu com o elenco. Ou pelo menos tenta. Quer mais sangue nos olhos. O Brasileiro tem mais 12 rodadas e ele sabe que não é hora de fraquejar. Aguirre estava bravo sábado.

Mais conteúdo sobre:

futebolSão Paulo FCDiego Aguirre