Alguns assuntos no futebol precisam ser resolvidos até depois dos Jogos Olímpicos

País poderá perder dois de seus principais garotos, Gabriel Jesus, do Palmeiras, e Gabigol, do Santos

Robson Morelli

29 de julho de 2016 | 10h24

O futebol brasileiro não entra em recesso durante dos Jogos Olímpicos, um erro da CBF que insiste em afirmar não ter datas para as 38 rodadas do Nacional, mesmo sabendo, de  antemão, que o campeonato registra algumas semanas livres para os times. Poderia reprogramar ao menos quatro das seis partidas que o torneio terá em meio à festa olímpica. O fato é que o futebol aparece como opção para quem não gosta de Olimpíada, porque daqui para frente o noticiário do Rio-2016 tomará dianteira nos meios de comunicação.

GabrielJesusDivulgacaoPalmeirasCesarGreco_570

O futebol brasileiro tem contas a acertar nesse período é não são poucas. Há muitos clubes envolvidos em definições de seus elencos, que darão um panorama mais real do segundo semestre, returno do Brasileiro e fases decisivas da Copa do Brasil e Sul-americana. O blog lista algumas dessas pendências que estão para acontecer, com impacto direto no humor do torcedor.

1
A ida do técnico do São Paulo, Edgardo Bauza, para o comando da seleção argentina é uma resolução imenente. Ele foi sondado e já disse ‘sim’. A AFA vai apontar seu escolhido em breve, talvez nesta sexta-feira. Se optar por Bauza, adeus São Paulo.

2
Gabriel Jesus está na mira do Manchester City, e de outros. O atacante, que serve a seleção olímpica, disse estar tudo encaminhando depois de ter falado por telefone com Pep Guardiola. O Palmeiras poderá anunciar o desfecho após a Olimpíada, informando que ele permanecerá no clube até o fim do ano. Pode ser que sua permanência se estique até o meio de 2017, para começar a temporada na Inglaterra do início. Independentemente do dinheiro que o clube vai conseguir, o fato é que perderá sua maior revelação dos últimos tempos com apenas 19 anos, e menos de duas temporadas em atividade.

3
Da mesma forma, Gabigol define seu futuro após do Jogos do Rio. O beijo no distintivo do Santos na partida contra a Ponte Preta foi um recado para o torcedor, um gesto de quem agradece tudo o que viveu na Vila Belmiro. Vai para a Juventus, que fez a melhor oferta até agora, embora diga que não há nada assinado. É mais um garoto que deixa o futebol brasileiro cedo, com 19 anos e três temporadas em atividade.

4
Algumas negociações estão sendo tratadas pelos clubes brasileiros, sempre passando o pires, sempre vendendo parte do almoço para salvar o jantar. Não se sabe, por exemplo, se Lucas Barrios ficará no Palmeiras. O mesmo se diz de Pratto, do Atlético-MG, que agora é reserva de Fred. Elias, antes de se machucar e voltar mal ao Corinthians, estava certo de que deixaria o time nesta janela. O Grêmio perdeu Giuliano e o São Paulo não terá forças para segurar Rodrigo Caio se ele quiser sair.

5
Há ainda a expectativa da reação em campo de alguns times no segundo semestre. O Inter ensaia uma reação sob o comando de Falcão. O time gaúcho não vence há oito rodadas. Da mesma forma, o Cruzeiro se apega em Mano Menezes para escapar da zona de rebaixamento. Há ainda a relação de Cristóvão Borges com a torcida do Corinthians. Se o time não sustentar sua colocação no Brasileiro, o treinador sofrerá cobranças e pressão.

6
Por fim, o Brasil vive a expectativa da estreia de Tite na seleção principal, nas Eliminatórias da Copa da Rússia, dia 2 de setembro, contra o Equador. O treinador assumiu a vaga que era de Dunga e promete remodelar o time nacional, começando do zero mais um trabalho. Tite é o técnico mais reverenciado no futebol brasileiro. O Brasil ocupa a sexta colocação, fora da zona de classificação nesse momento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.