Declaração de Renato sobre arbitragem é afronta ao futebol sério e responsável e pode ter provocado saída de Gaciba

Independentemente do resultado do Flamengo ou de qualquer outro time, o treinador foi irônico com um dos problemas que afundam o futebol brasileiro

Robson Morelli

12 de novembro de 2021 | 11h31

Renato Gaúcho não podia dizer o que disse da arbitragem do jogo do Flamengo com o Bahia. Que foi ‘perfeita’, em outras palavras. Ele tratou com ironia um dos principais problemas do futebol brasileiro e deu de ombros para melhorar o ambiente no qual vive e sobrevive, e que atormenta o torcedor. Renato deixou claro que o importante é seu time ganhar. O juiz Vinicius Gonçalves Dias Araújo deu pênalti mesmo depois de ser alertado pelo VAR de que não foi. Manteve sua posição. Errou.

Foto: CBF

Sua atitude pode ter antecipado a demissão de Leonardo Gaciba da Comissão de Arbitragem. Assim como a ironia de Renato, um treinador formado à frente de um dos principais clubes do Brasil. Eles brincaram com a seriedade do trabalho e do futebol, como um todo. Tanto o árbitro quanto Renato abusaram de suas autoridades, o primeiro dentro de campo, provocando até a desconfiança de muitos de ter apitado de má fé, e o segundo por tratar de um tema tão delicado com olhar míope, debochado e irresponsável.

Renato Gaúcho não poderia ter dito o que disse. “Na minha opinião, o Vinícius Gonçalves teve uma excelente atuação. E vou falar por quê. No pênalti, eu não vi o lance ainda, mas ele teve a convicção de marcar na hora. Depois, para tirar qualquer dúvida, ele foi no VAR. Ali não pode ter dúvidas, você vê todos os ângulos, vê se foi pênalti ou não. Ele continuou com a convicção dele, viu e deu o pênalti. As expulsões, no meu entender, foram justas. Falei com o Diego, ele falou que realmente ficou aborrecido”.

O treinador havia reclamado nas duas últimas rodadas do Brasileirão da má arbitragem do seu time. Desta vez, preferiu aplaudir. Mais bonito e menos vergonhoso seria ele nada comentar desta vez. Soltar um simples “prefiro analisar e rever as imagens”. Mas não, tomou para si uma lambança da arbitragem, para dizer o mínimo.

Nesta sexta-feira, Leonardo Gaciba, responsável pela arbitragem nacional foi retirado do cargo pela CBF. Ele não acaba a temporada 2021 no comando. Muito mais precisa ser feito. Se a CBF pode tirar, pode também trabalhar para melhorar. Em seu lugar, de forma interina, o cargo será entregue até o fim da temporada a Alício Pena Júnior, outro ex-árbitro e crítico de Gaciba. A CBF ainda vai definir o que pretende fazer com a arbitragem do futebol para 2022. O fato é que do jeito que está não dá mais. É preciso parar de empurrar esse problema sério para debaixo do tapete, como faz Renato Gaúcho quando seu time ganha os três pontos.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolRenato GaúchoFlamengoarbitragemVAR

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.