As vaias contra Diego Souza. E sua provocação

As vaias contra Diego Souza. E sua provocação

Robson Morelli

30 de abril de 2010 | 14h08

Diego Souza saiu aos 32 do segundo tempo contra o Atlético-GO/Paulo Pinto/AE
E Diego Souza perdeu a cabeça. De nada está adiantando então a psicóloga que o Palmeiras colocou à disposição dos jogadores. Pelo menos não com o meia. Vaiado pela torcida na vitória suada de 1 a 0 sobre o Atlético-GO após ser substituído aos 32 do segundo tempo, o jogador respondeu com gestos provocativos. Sua paciência acabou. Nâo é de hoje que a turma do amendoim pega no seu pé. Com razão. Que Diego é craque, não há dúvidas. Ocorre que faz algum tempo que ele não joga bem. Não existe regularidade em seu futebol. Mesmo assim, ele consegue, em lances isolados, deixar os companheiros na cara do gol. Foi o que fez com passe curto para Ewerthon na grande área, mas o atacante engrossou no arremate. Não podia. Não foi vaiado embora merecesse. Alguns dizem que Diego Souza, eleito o melhor do Brasileirão de 2009, está com a cabeça na Europa. A Traffic já falou que aceita estudar ofertas por ele. Ainda não pingou nenhuma. E se não pingar? Outros dizem que ele joga sozinho na armação e vive sobrecarregado. Outros ainda comentam que ele se abateu tanto com a chance perdida na Seleção quando foi chamado que não consegue mais se recuperar. Só para fazer um paralelo, Hernanes, do São Paulo, viveu fase como a de Diego. Levantou-se com o tempo e agora volta a jogar bem. Não vejo como o fim do mundo o que aconteceu no Palestra, nem as vaias do torcedor nem a revolta de Diego. Se ele jogar bem agora, no mínimo, não será mais vaiado. Se arrebentar, os aplausos virão. Só depende dele.

Adendo: Só dependia. Diego tomou um pito da diretoria e recusou-se a desfazer o feito. Não quis se manifestar sobre o episódio. Foi afastado com a desculpa de que estava machucado. Pode ser o fim de linha pra ele no Palmeiras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.