Brasil x Argentina salvaria a Copa América numa final no Maracanã, sábado, às 21h

Time de Neymar já está garantido após passar pelo Peru; rival argentino de Messi precisa ainda superar a Colômbia

Robson Morelli

06 de julho de 2021 | 12h00

Estava em Pequim nos Jogos Olímpicos de 2008. Em Olimpíadas, todos os dias são intensos. A turma do Estadão era muito boa. Trabalhávamos e nos divertíamos, como tem de ser. Numa tarde no Centro de Mídia, onde ficam jornalistas do mundo inteiro, cada um com seu fuso horário para enviar seu conteúdo, vi uma grande movimentação dos repórteres em direção à saída, onde ficavam os ônibus que nos levavam para os locais de provas e estádios. Quase que ao mesmo tempo, todos se levantaram, pegaram suas coisas e foram em embora.

Foto: Estadão

Perguntei para um colega inglês para onde eles estavam indo. E a resposta me encheu de orgulho. “Não perco esse Brasil e Argentina no futebol por nada”, disse. Era semifinal olímpica. O jogo foi no Estádio dos Trabalhadores e todos os ônibus (chat bus) que levavam os jornalistas para lá saíam lotados.

Esse é o poder de um Brasil e Argentina no futebol. Nenhuma outra modalidade tem tamanha força. Naquele jogo em 2008, que vi ao vivo, a Argentina de Messi e Agüero deitou e rolou no time comandado por Dunga e Ronaldinho Gaúcho. Foi 3 a 0. A seleção dava adeus assim ao sonho do ouro olímpico.

Para salvar a Copa América no Brasil, somente um Brasil e Argentina na grande final, marcada para sábado, no Maracanã. Messi tem conduzido seu time bem, como Neymar tem feito com o Brasil. São dois grandes jogadores. Prefiro o argentino, mas também queria no meu time o brasileiro, agora mais concentrado. Eles são capazes de proporcionar um grande espetáculo num torneio que ninguém queria, nem Messi nem Neymar.

A Copa América não tem mais sentido para o Brasil, mas vale muito para a Argentina. A geração de Messi sofre para ganhar uma taça. Não ganha desde 1993. E o próprio jogador, seis vezes o melhor do mundo, está mais perto da sua aposentadoria do que do começo de sua carreira. Precisa dessa conquista. O time fará de tudo para passar pela Colômbia e depois encarar o Brasil, que já deixou o Peru para trás. Não tem favorito se isso acontecer. Não há um melhor entre Brasil e Argentina na véspera. É jogo jogado. Ambos estão abaixo do nível das seleções da Europa, mas continuam a mandar na América do Sul. Não perco esse jogo por nada. Meu amigo inglês também não perderia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.