Brunoro negociou errado com o Grêmio e agora tenta corrigir o erro. Mas ele tem crédito

Robson Morelli

11 de fevereiro de 2013 | 15h28

É preciso dar um voto de crédito e confiança para Brunoro. Antes de ele pegar essa batata quente chamada Palmeiras, o homem é referência na organização de clubes e na contratação e revelação de jogadores, sempre respaldado pelo seu trabalho nos velhos e bons tempos no clube, quando o Palmeiras tinha a Parmalat como parceira. Eram tempos em que o torcedor palmeirense ria à toa com a apresentação dia sim e dia sim também de grandes jogadores. Lembro-me que Brunoro apresentou num dia o atacante Edmundo e no outro o capetinha Edilson.

As burras estavam cheias e Brunoro comandava tudo isso com seus parceiros de Palmeiras e Parmalat.

O desafio agora de Brunoro é fazer o mesmo sem dinheiro. É claro que o Palmeiras nunca mais vai apresentar Edilsons e Edmundos porque jogadores desse nível não existem mais no futebol brasileiro. Encrenqueiros sim, mas bons de bola.  Neste domingo, Brunoro disse que se os reforços prometidos pelo Grêmio não vierem agora, eles podem vir mais para frente. Opa! Aí tem coisa. Brunoro, raposa que é, sabe que alguns desses jogadores propostos pelo Grêmio na troca de Barcos não interessam nem ao clube nem ao técnico Kleina nem à torcida. Então, o que ele está combinando com a diretoria do Grêmio é que Palmeiras fique com crédito nessa transação e que possa se valer de outros jogadores meses adiante. Não deixa de ser um cartada inteligente.

Todos nós estamos cansados de ver no futebol que determinado jogador pode não dar certo em determinado time e se tornar craque em outro. Quem sabe no começo da Copa do Brasil ou do Brasileiro o Grêmio não se livra de jogadores que possam estar insatisfeitos com a reserva ou por qualquer outro problema? Um desses nomes é o atacante Kleber Gladiador, que está fora dos planos de Luxemburgo. O problema de Kleber Gladiador é que a torcida ainda torce o nariz por ele, sobretudo pela forma nada correta em que ele deixou o Palmeiras: desdenhando do clube.

Assim como Kleber, pode haver outro no elenco que queira sair. Se Brunoro conseguir montar um Palmeiras forte e competente já, e mudar a cara do time, quem sabe o Palmeiras não recupere o prestígio perdido na última temporada.

A venda de Barcos também foi feita à toque de caixa porque o jogador precisava ser inscrito na Libertadores pelo Grêmio. Então, Brunoro aceitou negociar o argentino sem antes ter amarrado todos os gremistas envolvidos na venda. Falhou, portanto. Agora, sofre com as recusas. Marcelo Moreno já disse que não vem. Marco Antônio também. E esses dois eram os principais jogadores da lista de cinco.

Então, para não pegar jogador que não interessa, é melhor esperar por nova safra e oferta. Enquanto isso, a diretoria trabalha em outras frentes, agora com um pouco mais de dinheiro e menos dívida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.