Carille perde a mão no Corinthians, é cobrado pela torcida, mas tem a confiança de Andrés

Carille perde a mão no Corinthians, é cobrado pela torcida, mas tem a confiança de Andrés

Treinador não consegue fazer o time jogar como antes, não deu bola para a Sul-Americana e agora se agarra ao Brasileirão

Robson Morelli

26 de setembro de 2019 | 09h33

Contra a parede… A eliminação do Corinthians na Sul-Americana e sua performance no Brasileirão põem Fábio Carille contra a parede. Com um elenco apenas razoável, sem atacantes em boa fase e com um  meio de campo sem criatividade, Carille não consegue fazer esse time jogar como antes. Ele perdeu a mão nesta temporada.

Perdeu a mão… Voltou de uma experiência frustrada na Arábia Saudita sem a mesma pegada de antes de sair. Era idolatrado no Parque São Jorge, e tinha nas veias o DNA de dois antecessores que deixaram legados no clube: Mano Menezes e Tite. Era uma espécie de filhote desses bons treinadores do time, por quem  a torcida se curvava e tinha boas lembranças.

Retranqueiro… Carille, nesta temporada, com esse elenco, se transformou num treinador comum, sujeito a cobranças dos torcedores por melhor futebol, e futebol mais ofensivo, como ocorreu semana passada no CT. Carille está sendo chamado de “retranqueiro”. E não tem coisa pior do que isso para um comandante que não se vê nesta situação.

Saída o atrapalhou… Seu emprego está garantido, pelo menos de acordo com o presidente Andrés Sanchez. O dirigente não pensa em trocar de comando. Não há muitos outros no mercado, é verdade. Carille tem contrato até o fim de 2020, com algumas sondagens não confirmadas de clubes da China, por exemplo. Sua saída do clube, mesmo por pouco tempo, o prazo em que ficou na Arábia, atrapalhou o seu trabalho. Ele perdeu a mão. E parece não achar o caminho.

Eliminado em casa… Faz boas e más apresentações. Já tentou de tudo com o elenco que tem e não consegue fazer esse Corinthians se acertar. O time tem boa defesa, mas carece de qualidade do meio para frente. Contra o Del Valle, até que fez uma segunda partida melhor, esteve duas vezes à frente do marcador, mas longe de conseguir os gols que precisava para se classificar. Perdeu a vaga em casa. Andrés disse que Carille tomou um baile na derrota por 2 a 0. E tomou mesmo.

Fora de foco… Uma crítica que também pesa sobre os ombros do treinador é ele não ter dado tanta bola para a Sul-Americana, uma competição internacional, que valia bom dinheiro e que dava vaga para a Libertadores. O Corinthians caiu na semifinal. A um passo de chegar à grande decisão.

Sobrou o Brasileirão… Carille agora terá de se agarrar ao Brasileirão, sua única competição até o fim da temporada. Hoje é quinto lugar, com 35 pontos e 20 jogos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.