Carille vai se apegar aos principais jogadores do Corinthians para fazer o time andar em 2019

Treinador deve ser oficializado neste semana no lugar de Jair Ventura

Robson Morelli

04 Dezembro 2018 | 11h05

A iminente chegada de Fábio Carille ao Corinthians dá muita esperança ao torcedor. As boas vontades de ter Osmar Loss e Jair Ventura no comando não deram certo. O Corinthians andou para trás e virou piada no Campeonato Brasileiro. Despediu-se com derrota e com dois pontos de distância do primeiro time que foi rebaixado, o Sport. Carille já se provou ser um bom treinador. Isso não quer dizer que ele terá vida fácil no Parque São Jorge. A história do futebol está repleta de casos de técnicos que voltaram e não deram certo. Cuca no Palmeiras é um deles. Depois de ser campeão, saiu, voltou e não acertou a mão no time.

FOTO: JF DIORIO/ESTADÃO

Carille vai ter de se apegar aos principais jogadores do time, de Cássio a Jadson, passando por Henrique, Fagner e Half. Vai precisar ter seus principais atletas comprometidos, coisa que não vimos nesta temporada. Ou se eles estavam, produziram bem abaixo do esperado. Fagner é um deles. Depois da Copa, ele não jogou mais nada. Esteve machucado, mas também aparentou estar com a cabeça em outro lugar. Fagner é um jogador importante no Corinthians, mas tenho a impressão de que ele queria ter saído. Como não conseguiu, se arrastou. Ainda pode sair.

O novo treinador, assim que tiver assinado contrato (o Corinthians deve pagar sua multa rescisória ainda nesta semana), terá de ter uma conversa franca com seus principais jogadores, de modo a obter deles a certeza de envolvimento para 2019. Olho no olho. Carille não vai trabalhar com quem não quiser ficar. O presidente Andrés Sanchez pensa igual. Ninguém fica no Corinthians contra sua própria vontade.

Esse elenco também precisa ser engrossado. Falta jogador de qualidade. O ataque é o maior problema. Um volante que saiba jogar também. Melhor fosse se tivesse mais um meia. Há jogadores voltando que poderão ajudar, se não todos, ao menos alguns. O futebol sempre dá uma segunda ou terceira ou quarta chance para seus profissionais. Carille terá muito trabalho quando chegar.

Mais conteúdo sobre:

futebolCorinthiansFábio Carille