Caso de racismo de Danilo Avelar expõe a falta de educação e informação do jogador de futebol no Brasil

Caso de racismo de Danilo Avelar expõe a falta de educação e informação do jogador de futebol no Brasil

Atleta do Corinthians publica frase 'filho de uma rapariga preta' para um rival durante jogo Counter Strike, se diz envergonhado e é banido da plataforma

Robson Morelli

23 de junho de 2021 | 14h16

Enquanto os clubes não se preocuparem com a educação de seus jogadores, nada vai mudar. O caso de Danilo Avelar escancara a precariedade do atleta de futebol. O jogador do Corinthians cometeu ato racista enquanto jogava uma partida de videogame. Foi desrespeitoso e disse o que não podia. Reconheceu o erro, pediu desculpas e agora espera por uma decisão do clube. Da plataforma de game ele foi banido. Veja aqui a reportagem do caso.

Foto: Agência Corinthians

Tirando todos os problemas de Danilo Avelar ao cometer o crime, ele é mais um jogador sem educação e informação, e muito disso por responsabilidade dele próprio. O atletas de futebol é alienado ainda, vive em sua bolha e não tem informação de nada, porque se tivesse, já teria sacado a transformação do mundo. As críticas ao mau futebol durante as partidas fazem com que os jogadores se afastem do noticiário. E isso os deixa alienado. Geralmente não sabe de nada. Isso precisa acabar.

Junta-se a isso a pouca escolaridade porque deixam os estudos cedo para seguir na profissão e se tem homens despreparados para a vida, para a sociedade, para conviver com pessoas diferentes e para aceitar outras tribos do mundo. Danilo Avelar disse ter um filho é que não era aquela a educação que ele queria passar para a criança. Corretíssimo. Ocorre que os filhos são esponjas de tudo o que os pais fazem e falam. Então, deu exemplo errado. Terá de consertar em casa.

As redes sociais tem esse papel de questionar na hora atos desse tipo, sem tolerância. Não se espera um minuto a mais para que o interlocutor seja cobrado quando faz ou fala o que não deve. O questionamento é imediato. Isso ajuda a formar e a educar. Tenho certeza que Danilo Avelar vai aprender com o episódio.

Não estou aqui passando a mão na cabeça do jogador. Defendo que ele seja responsabilizado pelo que fez. O ponto para mim é que os clubes precisam tratar desses temas com mais transparência e insistência. Seriedade. Não adianta deixar por conta do atleta, na sua individualidade, como muito dirigentes gostam de fazer. É o Avelar do CORINTHIANS. É preciso orientar, ensinar, mostrar a vida como ela, cobrar se for o caso e colher bons resultados lá na frente.

Casos como esses e outros, como os palmeirenses Lucas Lima e Patrick de Paula que furaram o isolamento e foram pegos em festas e restaurantes clandestinos fora do horário do Plano SP contra a covid-19,  pipocam com frequência nas redes e na vida real. É preciso, acima de tudo, ensinar, principalmente aqueles que querem aprender. Tomara Danilo Avelar seja um desses.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolracismoCorinthiansDanilo Avelar

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.