Cássio não é frangueiro, tem história no Corinthians, merece respeito e ajudou seu time em Itaquera

Cássio não é frangueiro, tem história no Corinthians, merece respeito e ajudou seu time em Itaquera

Goleiro não merecia pichação feita na véspera da partida de reabertura do Paulistão 2020 contra o Palmeiras

Robson Morelli

23 de julho de 2020 | 06h00

A provocação ao goleiro Cássio do Corinthians na véspera do clássico do seu time com o Palmeiras foi uma ofensa barata, baixa e sem fundamento. O jogo foi em Itaquera, nesta quarta-feira – um dia importante porque marcou a retomada do futebol de São Paulo após a parada de quatro meses pela pandemia. Numa das traves do estádio corintiano, foi pichado “Cássio frangueiro“. Poderia enumerar uma lista de boas defesas do goleiro em sua carreira com a camisa do Corinthians, de títulos e de classificação. Mas isso não se faz necessário. Todos conhecemos Cássio. Ele talvez esteja para o Corinthians assim como Marcos estava para o Palmeiras, dois goleiros respeitados, que amaram e amam suas bandeiras e que merecem respeito do torcedor.

Marcos recebe mais carinho por causa do seu jeito “caipirão” no bom sentido, humilde e muito próximo do que é o povo brasileiro. E ainda, claro, por ter sido campeão do mundo com o Brasil em 2002 – era titular.

Cássio está mais ligado à história do Corinthians. Ganhou tudo e nunca, ou quase nunca, se viu metido em confusão com torcedores ou colegas de profissão. É gente boa. Trabalhador honesto e não merecia o que foi dito dele nesta atitude de vandalismo. Entendo as brincadeiras no futebol e penso que elas motivam o torcedor. Caso Cássio tivesse falhado em campo recentemente, essa provocação estaria inundando as redes sociais, a nova forma de pichação no futebol e na vida de modo geral. Mas não foi esse o caso. Cássio estava parado fazia quatro meses. Tentando sobreviver e cuidando de sua família. Portanto, foi uma provocação descabida e maldosa, sem sentido. Quem fez deve pagar.

E por ironia do destino, no jogo em Itaquera, quem falhou foi o goleiro do Palmeiras, Weverton, no gol de Gil, antes de leve desvio na bola de Felipe Melo. Também não pode ser condenado porque era o primeiro jogo dele depois de um período grande sem atuar. Na verdade, todos os jogadores estão perdoados nesta temporada maluca por causa da pandemia. No seu jogo de volta, Cássio fez pelos menos quatro defesas que pararam o ataque do Palmeiras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: