CBF deveria ter cancelado o jogo do São Bento na Série C por causa de surto de covid-19

CBF deveria ter cancelado o jogo do São Bento na Série C por causa de surto de covid-19

Entidade perdeu a chance de tomar a decisão certa num caso diferente, numa temporada diferente, numa condição diferente, mas preferiu seguir o manual

Robson Morelli

27 de outubro de 2020 | 10h09

O caso do São Bento não pode passar batido. Quem não ficou sabendo, aqui vão algumas informações. O time de Sorocaba foi contaminado pela convid-19. Mais de 20 atletas dos 38 inscritos. Não havia quem colocar em campo contra o Criciúma. O clube pediu cancelamento do jogo e a CBF negou. Disse para apelar aos meninos da base. Um goleiro foi improvisado de atacante. O jogo ficou 0 a 0. Num rápido resumo, foi isso.

 

Mas esse jogo não deveria ter acontecido. A CBF, e seu presidente Rogério Caboclo, perdeu a chance de tomar a decisão certa num ano diferente em que o bom-senso deveria prevalecer acima de tudo, até mesmo das velhas regras e protocolos. Seguir o manual empoeirado é o pior a se fazer nesse ano no futebol. A CBF não entendeu isso ainda. Por isso, mandou o jogo seguir. Pediu para o São Bento se virar com meninos da base. Poderia laçar gente na rua e dar o uniforme. Ela não entendeu que isso depõe contra o próprio campeonato que organiza. Dois jogadores com sintomas da doença, mas sem ter o vírus no organismo pelos exames preliminares, entraram em campo. Seus nomes não foram revelados. Nem mesmo para o rival.

Ou seja, todos poderiam se contaminar. Ela próprio não seguiu seu protocolo de saúde. Há muitos jogos sendo remarcados e todos entendem a necessidade disso. É um ano diferente, que nem acaba nele mesmo em relação às coisas do futebol. Ora, a CBF pisou na bola nessa. Tem tomado muitas atitudes corretas, mas não essa. Deveria pedir desculpas em público ao pessoal do São Bento e auxiliar no que for preciso para que todos se recuperem. Domingo tem outro jogo. Será que dará tempo?

Tudo o que sabemos sobre:

futebolSão Bentocbf

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.