CBF e seleção ficam sem rumo às vésperas do sorteio da Copa das Confederações

Robson Morelli

27 de novembro de 2012 | 11h15

As decisões da CBF e as últimas notícias de seus personagens só fazem aumentar as especulações de que a entidade caminha por vias tortas e parece não sair do lugar no que diz respeito à seleção brasileira e sua organização. A primeira machadada foi a demissão do técnico Mano Menezes às vésperas de o Brasil abrir suas portas para as delegações internacionais que desembarcam nesta semana em São Paulo a fim de participar do sorteio da Copa das Confederações. Nesta segunda-feira, foi a vez de Andrés Sanchez, diretor de seleções da CBF, se manifestar contrário à forma com que o presidente José Maria Marin toma suas decisões e praticamente se colocar fora do grupo.

Andrés deixa claro que não compactua das mudanças e lamenta a troca de comando técnico do time nacional. Mais que isso: ele não está disposto a ocupar um cargo decorativo na CBF, como tem sido desde que Ricardo Teixeira abandonou o barco e entregou o comando de tudo a Marin. Antes ouvido em todas as determinações sobre as seleções, Andrés perdeu terreno para Marco Polo del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol e homem de confiança de Marin. Quem também nesta segunda teve a polícia federal em seu encalço, segundo o próprio Del Nero, por motivos pessoais.

Andrés virou um acompanhante na CBF, um ministro sem pasta, um dirigente sem peso nas decisões importantes. Não tem esse perfil.

O cenário não poderia ser pior nesse momento para a CBF. Sem técnico e com o diretor de seleções apontando a bagunça armada pela CBF nos últimos dias, não seria demais supor também que o Brasil nesse momento não tem um time. Mano demorou e errou muito nesses dois anos à frente do grupo. Mas construiu uma base após o fracasso de Dunga na África. Base que agora não há qualquer certeza de que seja aproveitada pelo novo escolhido. Volta-se à estaca zero.

Marin garante, e aí Andrés também, que a CBF não se mete na convocação dos jogadores. Pelo menos era assim com Mano Menezes. Há dúvidas. A volta de jogadores experientes, como Kaká, por exemplo, teria sido um, digamos, pedido do próprio presidente Marin. O fato é que para o mundo, às vésperas de uma competição-teste para a Copa de 2014, o Brasil tem um diretor de seleções insatisfeito e contrariado e vago o cargo mais cobiçado do mundo, o de técnico da única seleção pentacampeã do mundo. É assim que nos apresentamos nesse momento.

Tudo o que sabemos sobre:

Cop 2014; cbf;

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.