Cinco erros do São Paulo na derrota para o Corinthians no Itaquerão

Cinco erros do São Paulo na derrota para o Corinthians no Itaquerão

Até Muricy Ramalho admitiu que o time precisa melhorar muito para se classificar na Libertadores

Robson Morelli

19 de fevereiro de 2015 | 11h18

EliasDanielTeixeiraEstadao18022015_1_570

Desta vez, parece que todos viram o mesmo jogo. Foi unânime a constatação de que o São Paulo esteve muito abaixo do que se esperava dele dentro do Itaquerão, e foi facilmente engolido pelo Corinthians. Futebol não é uma ciência exata, como se sabe. Um drible ou uma arrancada certeira pode mudar o resultado de uma partida. Mas depois desses 90 minutos na casa corintiana, que registrou renda gorda de R$ 3,5 milhões, daria para enumerar cinco erros do São Paulo na partida perdida por 2 a 0.

1. Escalação errada
Muricy errou na formação do São Paulo ao mandar Michel Bastos para a esquerda. O jogador, um dos melhores do time ultimamente, deveria agir pelo pelo de campo, até porque também é uma dos que mais chutam a gol na equipe. Com ele isolado no canto, Ganso ficou sem companheiro.

2. Zaga despreparada
Durante a semana, ventilou no CT da Barra Funda a possibilidade de Muricy mandar a campo três zagueiros. Era uma maneira para fortalecer o setor. Ele deveria ter apostado nessa formação, até porque Dória, recém-chegado ao Morumbi, mostrou que ainda precisa de um tempo para se ajeitar. Ele e Toloi provocaram calafrios no torcedor. Muricy apostou demais em Dória depois da sua partida contra o Bragantino. 

3. Luis Fabiano e Alan Kardec não funcionam
Os dois atacantes são ótimo separados. Juntos, lado a lado, não funcionam. Parece que um incomoda o outro em campo e ambos perdem o posicionamento quando são escalados para fazer par. Kardec tentou correr mais pela direita e por lá não conseguiu muita coisa. Luis Fabiano aceitou a marcação e poucas bolas recebeu para furar o bloqueio corintiano. Parece que ambos também ficam inibidos juntos.

4. Ganso precisa de ajuda
O nervosismo de Ganso e seu desabafo contra o juiz não condizem com sua postura geralmente elegante em campo. Ganso está sobrecarregado. Ele atua ao lado de volantes marcadores, como Denílson, Souza e Maicon, e fica sozinho na tarefa de empurrar o time e organizar as jogadas. Marcado, some. Michel Bastos seria hoje seu melhor parceiro no meio de campo.

5. Falta sangue nas veias
Os jogadores do São Paulo são técnicos. A maioria possui qualidade com a bola nos pés. E, de modo geral, todos acham que essa condição será suficiente para construir os resultados. Não tem sido. Bem marcados, como foram no Itaquerão, ninguém produz nada. Falta sangue nas veias dos são-paulinos, um pouco mais de vontade de querer ganhar, de correr. Confesso ter visto esta disposição comente nos jogadores do Corinthians.

Tudo o que sabemos sobre:

São Paulo fc; Copa Libertadores

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: