Clima zero para o retorno das seleções e Eliminatórias, mas é preciso mirar a Copa do Catar

Brasil joga dia 9 de outubro, contra a Bolívia, no estádio do Corinthians, e dia 13 no Peru

Robson Morelli

18 de setembro de 2020 | 11h14

Depois de um longo período em isolamento e respeitando a quarentena, o técnico Tite e seu estafe darão as caras para retomar os trabalhos na seleção brasileira. Tite nunca deixou de acompanhar a condição de seus jogadores nem dos campeonatos internacionais que foram começando aos poucos até reabrir aqui no Brasil também. Mas é fato que a seleção caiu no esquecimento de seus torcedores.

WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Não há clima para a retomada dos jogos do Brasil sempre envolvidos em expectativas, esperanças, alegrias e sofrimento. Nos últimos capítulos, desde a Copa da Rússia, o sofrimento e a indiferença eram os sentimentos mais aflorados na torcida. Junte-se a esses dois o esquecimento agora.

Faz tempo que o Brasil não entra em campo. A última vez foi em 19 de novembro de 2019, na vitória de 3 a 0 sobre a Coreia do Sul, em amistoso. Ninguém se lembra mais. Ninguém deu bola para essa apresentação. Mas é preciso retomar. As Eliminatórias precisam ser retomadas vislumbrando participação na Copa do Mundo de 2022, no Catar. Por lá, tudo parece adiantado para receber o Mundial. Para quem não se lembra mais, a França ganhou a disputa na Rússia. Os europeus continuam mandando no torneio da Fifa. Veja os últimos campeões do mundo:

2018 – França
2014 – Alemanha
2010 – Espanha
2006 – Itália
2002 – Brasil

O Brasil vai jogar dias 9 e 13 de outubro. O primeiro jogo será em São Paulo, no estádio do Corinthians, contra a Bolívia. O outro ocorre no Peru. Seriam duas partidas fáceis para o Brasil não fosse a parada por causa da pandemia. Fazer a seleção jogar tem essa condição, de manter o time em ação e com o mínimo de entrosamento. Tudo isso se perdeu. Talvez esses jogadores que Tite vai reunir em breve não tenham se encontrado desde aquele 19 de novembro do ano passado. Cada um viveu seu mundo, dentro de seus respectivos times e família. Será, portanto, um grande encontro de amigos.

Mesmo a despeito disso, o Brasil precisa fazer seu melhor porque o que está em jogo é mais uma participação em Copa do Mundo. Para o brasileiro, isso é coisa séria, afinal, o time nacional sempre participou das Copas desde 1930. É o único país a nunca ter ficado fora. Vale lembrar ainda que o Brasil é o único penta. E tudo isso mais uma vez estará em jogo a partir dessas primeiras partidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.