Com Ricardo Goulart, o Palmeiras tem a chance de ganhar mais um ídolo em sua história

Com Ricardo Goulart, o Palmeiras tem a chance de ganhar mais um ídolo em sua história

Atacante e meia, jogador marca dois gols e dá passe para um terceiro na vitória sobre o Ituano

Robson Morelli

28 de fevereiro de 2019 | 10h29

Ainda é cedo e juro que não quero antecipar etapas, mas vejo com Ricardo Goulart a possibilidade de o Palmeiras ganhar um novo ídolo em sua história centenária. O último jogador nessas condições foi o goleiro Marcos, que vi nascer no clube e acompanhei boa parte de sua carreira como repórter. Goulart tem potencial para entrar no mesmo grupo. Não terá busto no clube porque já vestiu outras camisas – a homenagem só é feita para quem nunca trocou de bandeira, como o próprio Marcos, Dudu (volante), Ademir da Guia, Junqueira, Oberdan Cattani e Walkdemar Fiúme.

Dudu, o atacante, também está neste time. Já é ídolo do Palmeiras, embora não tenha chegado ao patamar de Marcos. Longe disso, afinal, Marcos é chamado de santo. Dudu é dedicado e bom jogador, altera bons e maus momentos, mas já está acima de todos do elenco no quesito “amor da torcida”. Ricardo Goulart tem jeito de craque, tem futebol de craque e nesta quarta-feira, na primeira vez em que atuou desde o início em uma partida, marcou dois gols e deu passe para um terceiro, de Borja. Goulart pode ser um camisa 10. Poder ser um camisa 8. Pode ser um camisa 11.

Já rodou o mundo e sabe exatamente o que quer da sua carreira. Tem uma condição financeira regularizada, imagina-se, e, por isso mesmo, tem em suas apresentações seu grande foco. Se ele quiser, pode se transformar no ídolo que toda torcida espera ter numa temporada, ou por mais de uma. Goulart tem cabeça boa, é educado e instruído. Tem família e encara o futebol, até onde sei, com muita seriedade. Não tenho dúvidas de que se ele permanecer no Palmeiras por mais de três temporadas, como tem contrato, vai ser um cara de destaque para a história do clube.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolpalmeirasRicardo Goulart

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.