Corinthians aciona jurídico do clube para não tomar processo em caso de dispensa de jogadores

Corinthians aciona jurídico do clube para não tomar processo em caso de dispensa de jogadores

Sidcley não aparece para treinar e provoca correria entre advogados do Parque São Jorge: diretoria quer fazer tudo certo para não ser acionado na Justiça

Robson Morelli

04 de novembro de 2020 | 12h49

A limpeza no elenco proposta pelo Corinthians, com a liberação de alguns jogadores, preocupa o clube. A direção de futebol não admite sofrer processo na Justiça acionado por esses atletas. Romper contrato unilateral implica em bancar os vencimentos desde o fim do vínculo. Sidcley, por exemplo, ficaria até o fim de dezembro. Ocorre que ele não apareceu para treinar e isso provocou correria entre os advogados do Parque São Jorge.

Caso Boselli também tenha o contrato rompido antes do prazo, as precauções e medidas serão as mesmas. De qualquer forma, todos eles devem ser pagos até o fim do vínculo, mesmo que isso faça com que treinem separadamente ou deixem o elenco com aval por escrito. Tudo deve ser documentado. O dinheiro de rompimento não é baixo e o Corinthians não pode assumir mais despesas. Isso choca com as intenções da diretoria de futebol de rever o grupo, seu tamanho e qualidade. O Corinthians também não quer ser processado.

 

Tudo o que sabemos sobre:

futebolCorinthians

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.