Corinthians amarga derrotas seguidas e apanha de Palmeiras e São Paulo em três dias

Corinthians amarga derrotas seguidas e apanha de Palmeiras e São Paulo em três dias

Domingo, o time amargou eliminação no Paulistão. Nesta quarta, tropeçou na Libertadores. Alguma coisa mudou no Parque São Jorge

Robson Morelli

22 de abril de 2015 | 23h49

CeniAlexSilvaEstadao1_570

Em menos de três dias, o Corinthians virou chacota no futebol paulista. Até então em fase de graça, triturando seus oponentes, o elenco comandado por Tite emperrou e apanhou de dois de seus maiores rivais, Palmeiras e São Paulo. A máquina cantada em verso e prosa começa a ratear? É cedo para afirmar que sim, mas dá sinais de desgaste. E não me venham dizer que tudo isso faz parte do enredo do ‘professor’, que tenta mesclar seus jogadores para fugir do estafe antes mesmo do meio do ano. Nem que o Corinthians não queria eliminar o São Paulo nesta fase da Libertadores.

A derrota para o São Paulo, que fez dois gols no primeiro tempo e soube tirar proveito da expulsão infantil de  Emerson, não elimina o Corinthians da competição, longe disso, diga-se. O time do Parque São Jorge foi o primeiro a se garantir, ou um dos primeiros, por méritos. Diferentemente do sentimento dos corintianos após a derrota para o Palmeiras nos pênaltis, domingo, dentro do Itaquerão, esse tropeço não significa nada na tabela. O Corinthians acreditava que faria a final do Paulistão e que levaria a Libertadores em banho-maria contra o rival do Morumbi, que, a bem da verdade, mudou da água para o vinho em campo.

O São Paulo tem feito uma temporada de doer, de deixar treinador doente e de fazer o torcedor desacreditar. Mas o que seu viu no Morumbi nesta quarta foi um São Paulo valente e aguerrido, deixando de tocar a bola para trás e avançando para cima do rival. Pelo menos no primeiro tempo. Era esse comportamento que o torcedor queria ver desde o começo do ano. Não se sabe se o elenco vai continuar assim, até porque, a qualidade mostrada e a vontade de ganhar sempre estiveram com o grupo. O Corinthians estava com seus principais jogadores, talvez exceto por Guerrero, recuperando-se de dengue. Então há méritos na atuação do Tricolor. Só lamento a falta de vontade de partir para cima do Corinthians, como fez o Bayern de Munique diante do Porto. O São Paulo fez dois e se satisfez.

O fracasso do Corinthians no Paulistão não há como recuperar. Esse tropeço na Libertadores, na última rodada da fase de grupos, não mudará nada a não ser o chaveamento da próxima etapa. Talvez essa seja a única boa notícia da derrota. No 0 a 0, o Corinthians pegaria o Atlético-MG. Com o tropeço, vai encarar o Guarany, do Paraguai. Ocorre que após as surras seguidas para Palmeiras e São Paulo, o sinal de alerta no Corinthians está ligado, amarelo piscando insistentemente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.