‘Corinthians fez um bom jogo’, como disse Tiago Nunes. Mas não ganhou!

‘Corinthians fez um bom jogo’, como disse Tiago Nunes. Mas não ganhou!

Derrota para o Guaraní, do Paraguai, por 1 a 0 deixará o elenco tenso até o jogo da volta, semana que vem. Precisa vencer por diferença maior do que um gol

Robson Morelli

06 de fevereiro de 2020 | 07h20

O Corinthians é outro time em relação ao que se arrastava em campo no fim da temporada passada. Alguns jogadores deram ânimo novo ao elenco. Outros reagiram com a virada de ano. O técnico Tiago Nunes também tem a ver com essa mudança. Ele é responsável em qualificar a equipe e a forma com que ela joga. Ocorre que pela segunda vez o Corinthians faz uma boa apresentação, mas não ganha. Não quero cair na tentação de avaliar a equipe somente em cima dos resultados. Seria fácil. Reconheço que o time melhorou, abandonou esquemas ultrapassados de jogo e aquela ideia defendida de que deveria entregar a bola para o rival. Mas é preciso vencer quando joga melhor.

 

Foi assim diante da Ponte Preta e nesta quarta-feira frente ao Guaraní, do Paraguai, um time mais fraco do que o brasileiro. O Corinthians martelou, ficou com a bola, tentou, mas não conseguiu fazer o golzinho que deixaria a partida empatada. A zaga vacilou no gol, ficou parada. E o ataque não funcionou, apesar das três chances claras. Gostei menos de Luan. Mesmo os bons jogadores, eles também são cobrados no Corinthians. E se Luan não jogar mais do que vem mostrando, vai ser cobrado.

O time perdeu por 1 a 0 na pré-Libertadores e agora precisa ganhar pelo mesmo placar em casa para levar a decisão para os pênaltis. Se conseguir vitória por maior diferença, ficará com a vaga para a próxima etapa classificatória.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolCorinthiansLuanCopa Libertadores

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: