Corinthians não admite gastar R$ 1 com a Olimpíada do Rio 2016

COI e Fifa querem o Itaquerão como palco do futebol nos Jogos. Clube perderá dinheiro com 'reformas estruturais' e aluguel de outro estádio até dois meses antes da disputa

Robson Morelli

16 Março 2015 | 18h52

itaqueraoAP_570

COI e Fifa se acertaram em trazer o futebol dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 para São Paulo, no estádio do Corinthians, palco principal da Copa do Mundo de 2014 porque recebeu a estreia da seleção brasileira contra a Croácia na abertura do torneio vencido pela Alemanha. Decidiram sem deixar tudo claro, preto no branco, para os dirigentes do Corinthians, que, num primeiro momento, entendem que estará perdendo dinheiro com essa escolha. Pior: gastando do bolso com as reformas estruturais que o Itaquerão sofrerá para abrigar o evento.

É como se COI e Fifa marcassem uma festa na casa corintiana e pedissem para o anfitrião organizar tudo do próprio bolso, os canapés e as bebidas. O Corinthians, mais do que depressa, disse não. Não aceita essas condições e se recusa, conforme informa o repórter Raphael Ramos, a entrar na brincadeira ou a deixar que brinquem em sua casa. Foi um xeque-mate. Se os organizadores não bancarem as reformas , nada feito. O clube abre mão de abrigar em seu estádio o futebol olímpico.

A atitude tem sentido. COI e Fifa são instituições ricas por causa das competições que organizam. O Corinthians, até onde se sabe, vai pagar sua dívida com a construção do Itaquerão, mesmo que leve mais 100 anos para isso. Trata-se ainda do único estádio particular escolhido pelo COI para os Jogos. Os outros seis espalhados pelo Brasil são todos do governo: Mineirão, Maracanã, Engenhão, Fonte Nova, Mané Garrincha e Arena Amazonas. Na Copa do Mundo, o Corinthians alega ter gastado R$ 60 milhões para atender às exigências da Fifa para receber as partidas do torneio. Nesse valor, estão as estruturas de cadeiras nas laterais do Itaquerão, atrás dos gols, que já não existem mais.

Tem mais. O COI deve fincar a bandeira dos Jogos Olímpicos de 30 a 60 dias antes da competição em si, de modo a fazer com que o Corinthians tenha de abandonar sua casa nas competições nacionais. Isso também é um custo para o clube, que terá de alugar outro estádio, provavelmente o Pacaembu, para seus jogos. E talvez no Pacaembu, as rendas na casa dos R$ 2 milhões conseguidas no Itaquerão não sejam alcançadas. É mais prejuízo.

O Corinthians então deixou claro para os representantes do Comitê Rio-2016 que alguém terá de reembolsar o clube por tudo isso. O valor deverá ser combinado previamente, tento COI ou Fifa como fiador oficial.

Mais conteúdo sobre:

Corinthians; Itaquerão; futebol