Coube ao rival Fluminense empurrar o Botafogo para mais fundo no poço do Brasileirão

Coube ao rival Fluminense empurrar o Botafogo para mais fundo no poço do Brasileirão

Time que já teve Garrincha em suas fileiras não mostra forças para reagir na competição e se aproxima da Série B

Robson Morelli

25 de janeiro de 2021 | 09h50

O torcedor do Botafogo se recusa a jogar a toalha, mas nem ele vê forças no seu time para se recuperar no Brasileirão e evitar a degola. A Série B é iminente para o lanterna da competição, com 23 pontos em 32 partidas, com saldo de gols negativo de 24, com 17 derrotas e apenas quatro vitórias. Isso mesmo: o Botafogo venceu apenas quatro vezes no Nacional e faz uma das piores campanhas de toda a competição desde que o sistema de pontos corridos foi oficializado no Brasil mais recentemente, em 2003.

Foto: Botafogo

O Bahia caiu nesta primeira versão na condição de último colocado, com 46 pontos. O Grêmio fez 39 em 2004. O Brasiliense somou 41 em 2005. Lembrando que essas edições tinham mais do que 20 clubes. Em 2006, já com 20 times, portanto, no formato atual, o lanterna foi o Santa Cruz, com 28 pontos. Um ano depois, em 2007, o América-RN conquistou apenas 17 pontos em 38 rodadas.

O Botafogo perdeu no fim de semana para o Flu e agora vê mais distante o primeiro time fora da zona de rebaixamento. É o Fortaleza, com 35. São 12 pontos de diferença ou quatro rodadas das seis que faltam para o fim da competição. Não há muito mais o que fazer e a queda do time de General Severiano deve ocorrer nas próximas rodadas. Botafogo tem pela frente, entre outros, Palmeiras, Grêmio e São Paulo. Um time que já teve jogadores como Garrincha e Paulo Cezar Caju, agora agoniza por falta de gestão competente, profissionais interessados, gastos enormes e poucos projetos de verdade. Na Segundona, vai encontrar o Cruzeiro. Com o que mostra em campo atualmente, não se sabe se terá condições de subir de volta rapidamente se cair de fato.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolBotafogobrasileiraofluminense

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.