Desta vez, Neymar deveria estar entre os 3 melhores do mundo no lugar de Messi

Brasileiro esperava ser relacionado como um dos finalistas

Robson Morelli

11 de dezembro de 2020 | 17h40

Neymar deveria estar entre os três melhores do mundo. Pelo que fez na temporada, nesta e na passada, com alguns jogos pela seleção também, ele foi mais decisivo do que Messi, por exemplo, que vem de uma edição comum, sem brilho e bastante ‘emburrado’ em campo. Messi faz partidas burocráticas, longe de ser aquele Messi que todos conhecem do Barcelona, onde nem quer ficar mais. Joga para não ser cobrado. Cumpre tabela. É claro que continua sendo Messi, mas não deveria estar entre os três indicados para o prêmio deste ano, com Cristiano Ronaldo e Robert Lewandowski, que para mim leva por ter ajudado o Bayern de Munique a ser campeão da Liga dos Campeões.

Neymar deveria estar no lugar de Messi. Penso que o próprio brasileiro achava que deveria ser indicado. Não foi. Há muita resistência ao seu nome, mais pelo seu comportamento do que pelo futebol. Neymar amadureceu um pouco (estou aqui batendo na madeira) e não tem sido mais aquele menino sem comando. Terá de reconquistar todos. Futebol conta, mas ele está descobrindo que não é só futebol que conta. Caráter e personalidade caminham juntos. E têm peso. Nesse quesito, o brasileiro está longe de ser referência. Melhorou, mas ainda há muito a se fazer para mudar sua imagem. Claro, se ele quiser mudar. Nunca quis e sempre foi feliz igual.

Futebol por futebol, fico nesta temporada com o dele, mais até do que de Cristiano Ronaldo.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolNeymarMessiCR7fifa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.