Diretoria do São Paulo não pode deixar Fernando Diniz ‘sozinho’ no comando do time

Treinador precisa de respaldo da diretoria para tomar conta do vestiário e técnico tem de tomar caminhos diferentes de seus antecessores

Robson Morelli

10 de novembro de 2019 | 18h36

Nova derrota e mais vaias… A diretoria do São Paulo ainda precisa ajudar Fernando Diniz a comandar o time. Sozinho ele terá problemas. Mais uma vez o São Paulo perde no Campeonato Brasileiro e é vaiado no Morumbi. Foi assim também no meio de semana, diante do fraco Fluminense. Neste domingo perdeu para o Athletico-PR. Assim, vai se distanciando da vaga direta da Libertadores do ano que vem, o G-4, e corre risco de não entrar no G-6. Seria um desastre para o clube não ter lugar na competição continental.

Chinelinhos… Após a derrota para ao Flu, parte da diretoria ficou uma fera, não com o novo treinador, mas com alguns jogadores. A sensação que se tem é de muitos “chinelinhos” no elenco. Chinelinhos são aqueles jogadores que não querem nada com nada, a não ser o salário no fim do mês.

Estaca zero… O problema é que o São Paulo não avança em seu processo de reformulação. Começa bem, mas se perde no caminho nos primeiros passos, e aí tudo volta para a estaca zero. Foi assim com outros treinadores e parece repetir a dose com Diniz.

Volpi erra feio… O treinador também tem responsabilidade no cartório. Ele deixa o time muito exposto, principalmente aos contra-ataque. Na derrota para o Athletico, a falha foi do goleiro. Volpi assumiu o chute defensável do rival. Ele mesmo disse isso. Legal da sua parte, mas não pode acontecer. Maior problema é a criação ofensiva, ou falta dela, e finalização ruim. Muitas. Tem jogador que atua com o nome. A diretoria não está satisfeita. Não seria demais se nesta segunda-feira alguma coisa acontecer no clube.

O tom de 2020… O fim da temporada vai dar o tom de 2020. O São Paulo não ganha nada há anos e continua devendo para sua torcida. Trabalha sem convicção. Técnico nenhum parece resolver o problema de vestiário. Parece claro ainda que o elenco é bom, mas não comprometido. E isso não é de hoje. Se nada for feito nesse sentido, já sabemos o que será escrito na próxima temporada.

É hora de ser profissional… Diniz tem capacidade para mudar esse enredo, mas precisa de ajuda. Precisa tomar decisões duras. Não é hora de ser técnico camarada. É hora de ser profissional. De ter respaldo para tomar os caminhos certos, e não os caminhos de sempre. Esse o torcedor já conhece e sabe aonde vai dar.

Tudo o que sabemos sobre:

futebol; São Paulo FC;São Paulo

Tendências: