Dunga volta com Kaká, Lucas e Hulk. Chama Neymar, o 24º, e dá chance a Lucas Lima

Brasil fará dois amistosos nos EUA, dias 5 e 8 de setembro, contra Costa Rica e Estados Unidos, respectivamente. Treinador começa a pensar nas Eliminatórias da Copa de 2018

Robson Morelli

13 de agosto de 2015 | 11h25

Dunga não mexeu tanto com seu setor defensivo, tampouco com o meio de campo da seleção, mas resgata força no ataque do time ao apostar em Lucas e Hulk, principalmente. O atacante do PSG foi esquecido por Felipão na Copa do Mundo, embora tenha participado da Copa das Confederações. Hulk desapareceu do grupo depois do Mundial. Quem também retorna é Kaká, que agora defende o Orlando City, dos Estados Unidos. Dunga ainda dá chance para o santista Lucas Lima, em sua primeira convocação. Merecida. Neymar, que está suspenso das duas primeiras partidas das Eliminatórias da Copa, é o 24º da lista. O atacante do Barcelona está com caxumba, mas poderá se recuperar até lá. Ocorre que sua presença é pedida comercialmente.

DungaWiltonJuniorsEstadao05032015_570

Dunga abriu mão do capitão Thiago Silva, que falhou na Copa América e parece ter usado todo o seu prestígio na seleção no último ano. Thiago fez um pênalti na partida contra o Paraguai e disse depois que não viu a bola bater em sua mão. Desorientado por completo. O fato é que o zagueiro do PSG terá de comer muito arroz com feijão para retornar. Embora tenha categoria para isso, Thiago cometeu muitos erros na Copa do Mundo (choro e falta de personalidade) e na Copa América. “Não temos nada contra ninguém”, disse Dunga.

O treinador, no entanto, continua apostando nos mesmos jogadores de meio de campo, com a volta de Oscar e o resgate de Kaká. Ramires e Lucas Lima devem ser titulares e podem melhorar muito a saída de bola do time. Esse é o ponto. Lucas Lima voa no Santos, com elogios em todas as partidas. O mesmo pode-se esperar de Ramires. Então, Dunga terá de usar esses dois jogadores especificamente dentro de suas condições e características, de modo a tornar o  meio de campo do Brasil bem mais técnico com a bola nos pés. Se isso não mudar, de nada adianta caras novas na equipe.

Com Kaká, o treinador busca mais experiência e um líder de fato para o time, que não teve ainda sob seu comando. Não me refiro a líder técnico, como Neymar. O Brasil não tem um jogador cascudo, experiente e com história dentro do futebol. Kaká estava na Copa do Mundo de 2002, com Felipão. Sabe o que é uma Eliminatória, tem a vivência da Europa e ainda joga em situação de competição, embora esteja no futebol norte-americano, que não é o mais competitivo do mundo. Os nomes, na maioria, são razoavelmente bons. Mas Dunga precisa mudar sua forma de pensar o futebol. Atuar sem pressa, com a bola nos pés, com mais categoria e menos medo de perder. Ele é prova que ganhar em amistosos de nada adiante. O que marca mesmo é ganhar em torneios. É preciso entender isso.

A LISTA

GOLEIROS
Jefferson, Botafogo
Marcelo Grohe, Grêmio
Allisson, Internacional

ZAGUEIROS
David luiz, PSG
Marquinhos, PSG
Miranda, Inter de Milão
Gabriel Paulista, Arsenal

LATERAIS
Daniel Alves, Barcelona
Felipe Luis, Atlético de madrid
Danilo, Real Madrid
Douglas Santos, Atlético Mineiro

MEIAS
Luís Gustavo, Wolfsburg
Fernandinho, Manchester City
Elias, Corinthians
Ramires, Chelsea
Oscar, Chelsea
Lucas Lima, Santos
Kaká, Orlando City

ATACANTE
Firmino (Liverpool)
Willian (Chelsea)
Neymar (Barcleona)
Lucas (PSG)
Hulk (Zenit)
Douglas Costa (Bayern de Munique)

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: