E a insônia continua para os corintianos

Robson Morelli

29 de abril de 2010 | 10h26

Tinha cantado a bola aqui. Enfrentar o Flamengo não era uma boa para o Corinthians neste momento da Libertadores. Não era porque o time anda jogando mal e uma rivalidade caseira com uma equipe do mesmo nível, em todos os aspectos, seria uma fria. Como foi. O Fla ganhou por 1 a 0, mas saiu do Maracanã fortalecido. Entrou em campo com técnico interino e com os jogadores correndo cada um para um lado, todo desfigurado e sem comando. Mas saiu de lá quarta-feira à noite soberano na competição.
O Corinthians foi preparado, treinado e apostando em seu maior jogador, Ronaldo. Não deu certo. O time engrossou, perdeu gols e viu a Libertadores subir no telhado. Pior. Teve a oportunidade de partir para cima com um jogador a mais boa parte do tempo, mas preferiu ficar no meio do caminho. Era jogo para fazer o resultado e depois administrar aqui.
Mas nada está perdido, diga-se. O Corinthians ainda é mais forte no Pacaembu. Mano precisa agora se fechar com o elenco, torcida, presidência e dar tranquilidade aos jogadores. Não digo a Ronaldo e Roberto Carlos, esses são macacos velhos, não vão tremer. Refiro-me aos outros. A semana vai ser tensa no Parque até a hora da próxima partida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.