Entrei na brincadeira dos ‘seis melhores do Brasil, entre Romário, Ronaldo, Neymar, Ronaldinho, Kaká e Rivaldo

Entrei na brincadeira dos ‘seis melhores do Brasil, entre Romário, Ronaldo, Neymar, Ronaldinho, Kaká e Rivaldo

Para mim, o atacante do PSG está no fim dessa fila na seleção brasileira, que entra em campo nesta quinta contra o Chile pelas Eliminatórias

Robson Morelli

02 de setembro de 2021 | 12h00

Nesta quinta-feira, quando a seleção brasileira entra em campo para enfrentar o Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo do Catar, uma discussão se fez nas redes sociais sobre seis dos melhores jogadores do Brasil dos tempos mais recentes. Os apontados foram, nessa ordem: Romário, Ronaldo, Neymar, Ronaldinho Gaúcho, Kaká e Rivaldo. Deu o que falar porque cada torcedor tem sua preferência. A discussão começou do nada, numa brincadeira dessas do futebol em que todos dão sua opinião. Resolvi entrar nessa porque vi de perto dos eles jogarem, em coberturas na seleção brasileira, de 1994 até 2018.

Quem eu vi menos foi Romário, porque ainda estava começando no jornalismo quando ele já fazia gols importantes em Copas do Mundo, como na conquista do tetra nos Estados Unidos.

Romário e Ronaldo parecem dois inquestionáveis na ordem, craques que foram em clubes e na própria seleção. Muitos acham que Ronaldo foi maior. Tenho dúvidas. Sei que ambos tinham um carisma e um poder de mexer com o torcedor onde quer que fossem como nenhum outro, nem mesmo Neymar, o mais badalado deles por causa das redes sociais e da indústria que trabalha para ele. Os outros, se tiveram isso, foi em menor escala.

Quando Romário e Ronaldo chegavam nos aeroportos com o Brasil, nos hotéis, era um acontecimento. A confusão estava formada. Mulheres, homens, crianças, funcionários, todos queriam tocá-los. Como repórter, vi tudo isso de perto, fazendo minhas anotações e relatando depois.

Em campo, fizeram gols importantes e decisivos. Ronaldo tinha muito carisma com as crianças e nada do que fizesse abalava sua imagem. Ele tem isso até hoje. Recentemente, esteve com Rayssa Leal, do skate do Brasil, para trocas de mensagens e presentes. Ganhou um skate.

As redes sociais se movimentaram fervorosamente quando o twitter ‘memes futebolísticos‘ apontou Neymar em terceiro lugar nesta relação, à frente de Ronaldinho, Kaká e Rivaldo. Muitos não concordaram com isso. Os defensores de Kaká falaram alto.

O meia que fez carreira no São Paulo antes de ganhar o mundo, em times como Milan e Real Madrid, foi excelente. Depois que pararam, todos eles ficam melhores porque nossa memória tende a lembrar só das coisas boas, ou mais das coisas boas. Mas Kaká formou um dos melhores Milan de todos os tempos. Jogou muita bola. De quebra, foi o último jogador brasileiro escolhido como melhor do mundo, em 2007.

Neymar ainda não teve essa honraria, nem se sabe se um dia vai ter. Hoje, tirando os “veteranos” Messi e Cristiano Ronaldo, Mbappé está na frente nessa corrida. Não vejo ainda Neymar como um jogador sério e decisivo para a seleção. É gênio. Joga bola com habilidade que Kaká não tem. Está mais para Ronaldinho Gaúcho do que para Kaká. Kaká e Rivaldo foram jogadores mais objetivos, eficientes e em direção ao gol e às vitórias. Neymar gosta mais de dar show e fazer molecagens, embora tenha diminuído isso em campo.

Até mesmo Ronaldinho tinha mais objetividade do que Neymar. Nessa lista, dos seis, para mim Neymar está no fim dela. Talvez seja o mais habilidoso deles, embora também prefira Ronaldinho Gaúcho, o Mago, com suas diabruras no Barcelona e na seleção. Eu colocaria Ronaldinho em terceiro, depois Rivaldo e Kaká, mas todos eles muito próximos. Aqui conta mais gosto pessoal. Todos jogariam no meu time. Todos jogaram muito no Brasil e fizeram história. Neymar é o único em atividade e com uma história ainda sendo escrita.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.