Facilidade do Palmeiras diante do Botafogo o credencia para ganhar o Brasileirão

Facilidade do Palmeiras diante do Botafogo o credencia para ganhar o Brasileirão

Time assume a liderança da competição nacional e faz planos para abrir 'gordurinha' na frente dos seus concorrentes

Robson Morelli

10 de junho de 2022 | 08h47

O Palmeiras atropelou o Botafogo por 4 a 0, festejou a vitória em casa com sua torcida e assumiu a liderança do Brasileirão. Mas o jogo mostrou muito mais do que isso. Mostrou como o Palmeiras se credencia para ganhar o torneio de pontos corridos, que o técnico Abel Ferreira ainda não tem desde que chegou ao Brasil. E que muito.

O time foi uma ‘máquina’ de jogar no Allianz, não no sentido pejorativo da palavra surrada no futebol, mas com o significado de todos saberem exatamente o que deviam fazer em campo, o posicionamento de cada um, o jogo coletivo, a hora de correr e segurar a bola no meio de campo e de virar as jogadas, pegando quase sempre os marcadores longe da marcação. De modo que os gols foram sendo feitos e o time não parou de jogar. Reduziu o ritmo, é verdade, mas continuou atacando e “gostando” do jogo, sem perder sua atenção na parte defensiva, com algumas defesas de Weverton.

Foto: Palmeiras

É claro que se deve levar em conta a fragilidade do Botafogo, um time em reformulação, endinheirado após a chegada de John Textor, mas ainda longe de lembrar suas glórias do passado. O time ocupa a 15ª colocação depois de dez rodadas do Brasileirão. Ocorre que nenhum outros time sobra nesta temporada, o que faz do Palmeiras, do jeito que vem jogando, um candidato a ganhar o título nacional.

O Atlético-MG oscila mais do que se esperava dele, dada a derrota de 5 a 3 para o Fluminense. O clube de Minas já tem o trabalho de seu treinador Antonio Mohamed questionado. O Flamengo, outro gigante de véspera, se afunda em suas próprias crises, demitindo mais uma vez um treinador, Paulo Sousa, e contratando Dorival Júnior do Ceará.

Na ponta da tabela, o Corinthians mostra-se eficiente, mas com um futebol que não se imagina se sustentar nas próximas rodadas. Nem mesmo o torcedor da equipe acredita que ele vai longe na competição. O São Paulo, outro postulante, mais derrapa do que ganha. São seis empates, alguns deles com sabor de derrota. Há ainda alguns ‘emergentes’ que não se apostaria estarem na posição que ocupa, como o Athletico-PR, que melhorou muito com a chegada de Felipão. O time do Paraná tem a terceira posição.

As demais equipes da competição não têm força para pensar em título. A maioria mira vaga na Libertadores do ano que vem, algumas até na Sul-Americana. Há um sobe e desce muito frequente com esses times.

O Palmeiras tem em seu planejamento para o Brasileirão, depois de retomar a liderança, abrir certa vantagem na ponta. Tem apenas um ponto para o Corinthians, o segundo colocado. Imagina que poderá fazer isso nas próximas apresentações, de modo a ter depois como administrar suas passadas na disputa. Se os rivais permitirem isso, o Palmeiras vai levar o Brasileirão como aquele piloto de Fórmula 1 que anda na frente, sem pressão, com folga e, se não fizer nada de errado, vai cruzar a linha de chegada e receber a bandeirada. O Palmeiras encara no fim de semana o Coritiba, fora, e depois recebe o Atlético-GO.

Tudo o que sabemos sobre:

palmeirasfutebolAbel Ferreira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.