Fernando Diniz já não convence mais com seu discurso. Precisa mostrar o que sabe na prática

Fernando Diniz já não convence mais com seu discurso. Precisa mostrar o que sabe na prática

Ele teve tempo para trabalhar desde o ano passado, mas ainda não evoluiu em nada, ou quase nada, dentro de campo

Robson Morelli

11 de fevereiro de 2020 | 10h56

O São Paulo 2020 tem muito de sua edição 2019. O time empaca nele mesmo e não vai. Alterna boas e más apresentações. E tudo, de certa forma, passa pelo trabalho de Fernando Diniz. O treinador não avança em suas ideias, ou melhor, seu discurso não combina com a prática. O São Paulo não tem muito a mostrar, jogadas ensaiadas que façam, de fato, diferença ou posicionamento “revolucionário”. O toque de bola proposto por Diniz é igual a qualquer toque de bola do futebol brasileiro. Jogadores respondem, mas não fazem diferença.

Então, nesse momento da temporada, o São Paulo é um time comum. A prática de tudo o que Diniz pensa e imagina para um elenco vencedor não acontece dentro de campo. Talvez o único jogador que tenha mudado de postura, rendimento e posição seja Daniel Alves. Ele está mais solto. Mas também erra muito. Poucos falam a sua “língua” nos 90 minutos.

Há, nesse momento, um outro agravante. A falta de pagamento. O dinheiro acabou. Isso é péssimo para um time que se propõe mudar e avançar em sua caminhada. Não vejo os jogadores do São Paulo tão envolvidos assim com o clube a ponto de jogar por amor ou continuar disputando as bolas sem grana na conta. Tomara esteja enganado. Raí usa seu prestígio para isso até onde pode, mas há limites. O clube pediu alguns dias para colocar a casa em dia. Tomara consiga e não deixe passar nada nesse sentido. O dinheiro de TV vem no segundo semestre, a maior parte dele. Os clubes, de modo geral, precisam vender jogadores para honrar suas contas.

Diniz precisa mexer com o brilho de alguns jogadores, torná-los “homens” do time, com personalidade, aqueles que batem no peito e chamam a responsabilidade. Falta esse cara ao São Paulo. Daniel Alves é um deles. Precisa de mais. O São Paulo tem de jogar com mais sangue nos olhos. Não sinto que seja um time assim. Mas o ano só está começando.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: