Fico com a simplicidade de Pelé desde sempre, com todos que se aproximam dele, um verdadeiro Rei

Ele sempre soube qual era o seu lugar na sociedade e como deveria se comportar diante de seus súditos em todas as fases de sua vida

Robson Morelli

23 de outubro de 2020 | 10h05

Hoje é dia de Pelé. Pelé 80. Mas ele é reverenciado todos os dias do ano. Sempre que há um gol bonito, alguém sempre convoca Pelé. Sempre que há uma discussão sobre algum craque, Pelé entra na roda. Se o tema for Santos ou seleção brasileira, não tem como não passar por ele. Sua presença está nos quatro cantos do futebol. Pelé é uma referência no esporte. Particularmente, com todos falando e mostrando tudo do Rei, fico com sua simplicidade, seu conhecimento cedo de quem era e de como deveria lidar com a graça que Deus lhe deu, como ele mesmo fala.

A fama, e tudo o que envolve o nome de Pelé no Brasil e no mundo, não o fez diferente. Nunca tirou seu sorriso do rosto nem sua quase ‘obrigação’ de atender a todos os seu súditos. Pelé não se recusa a dar autógrafo ou fazer uma foto, apertar uma mão, dar um sorriso, abraçar uma criança. Há muito nisso de sua vida de garoto-propaganda, mas há também muito dos ensinamentos de seu Dondinho e dona Celeste, seus pais, e no que julga ser importante em sua posição. A simplicidade sempre esteve com ele, até mesmo em muitos gols marcados com a camisa do Santos.

Pelé é diferente de todos até neste aspecto. O futebol tem sua soberba. Um gol pode mudar o comportamento de muitos candidatos a craque, construir uma carreira ou altera parâmetros dentro de campo. Pois nenhum dos 1.283 gols de Pelé foram capazes de mexer com seu jeito diante de seu povo, os amantes do futebol. Nem com os torcedores que sempre o quiseram ver de perto nem com os jornalistas que perseguem sua carreira e vida nem com ninguém.

Fico com essa simplicidade do Rei, testada pessoalmente mais de dez vezes quando era preciso buscar informações a seu respeito em qualquer lugar do planeta. Ou mesmo correr atrás dele em eventos nos últimos 30 anos, cercados por seguranças e gente que queria apenas tocá-lo. Muita gente. Ele nunca deixou ninguém sem resposta, sem um sorriso, sem um cumprimento que fosse. Os profissionais que cuidam de sua carreira são, da mesma forma, atenciosos e gentis. Sabem o que ele representa. Há muito negócio nisso, mas também há uma compreensão do seu tamanho e importância.

Pelé chora. Pelé é teimoso. Pelé não gosta de uma série de coisas como todos nós. Pelé não gosta de ir ao médico. Pelé nunca deixou de ser de carne e osso. Sempre esteve ao lado de Edson e depois que parou de jogar, misturou muito as duas pessoas, o homem e o mito. Pelé merece todas as referências que vai ganhar neste dia. E muitos mais. Ele agradece a Deus tudo o que tem. E tem muito. E também deu muito a todos nós. Pelé é realmente uma pessoa especial. Na vida, pelo que sei, sua única falta aos meus olhos foi não ter assumido a paternidade da filha Sandra Regina.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolPelé;

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.