Flamengo e Palmeiras são minhas apostas para o título da Libertadores de 2019

Não acredito no Grêmio nem no Cruzeiro, temo os argentinos Boca e River, mas penso que vai dar brasileiro este ano

Robson Morelli

05 de março de 2019 | 16h24

Companheiro das manhãs na Rádio Eldorado (107,3 FM), Haisem Abaki me perguntou nesta terça-feira, meio sonado ainda, eu e não ele, quem ganharia a Libertadores. Me pegou de surpresa como sempre. Vivo dando palpites pra lá de equivocados. Estou invicto no ano, sem acertar nenhum ainda. Listei alguns times e logo Haisem me disse que pipoquei, subi no muro ou algo assim. Pois desci do muro e digo que Flamengo e Palmeiras são meus candidatos.

Reduzi a lista para dois, perdoem-me. Penso que o Flamengo está com muita vontade de ganhar a competição. Mas isso não basta. Penso também que o Flamengo tem um elenco forte. Penso ainda que o Flamengo tem um treinador motivador e acostumado a erguer taças. Tudo isso ajuda. Se a diretoria e a torcida não atrapalharem, o Flamengo tem boas condições de se dar bem nesta temporada, mesmo a despeito de não ter brigado pela Taça Guanabara e com a tragédia que carrega nas costas com a morte dos dez meninos da base.

Penso até que essa tragédia sem dimensões poderá ajudar, de alguma forma e lá na frente, o time a se unir e a dar aquele pouquinho mais em campo. Se fosse Abel Braga, fazia os jogadores jogar por esses meninos. O elenco se reforçou com Gabriel (ex-Santos), Arrascaeta, Bruno Henrique e Rodrigo Caio, por exemplo. Gosto de um meio de campo formado por Cuellar e Arão. E, podem me contestar, ainda curto Diego, o camisa 10. A intensidade do Flamengo precisa melhorar, é verdade. Com esse elenco, com a força de sua camisa, com as caras novas e sangue novo, o Flamengo tinha de correr o tempo todo atrás dos gols, sufocar o rival em qualquer lugar. Como gostaria de ver o time atuar assim!

Da mesma forma, penso que o Palmeiras tem bons motivos para acreditar no título, principalmente pela surra que levou no ano passado do Boca. Aprendeu a lição. Gosto da ideia de ver Felipão no comando, o mesmo técnico de 1999, quando o Palmeiras conquistou sua única taça. A chegada de Ricardo Goulart me animou. O setor defensivo é firme e isso pode fazer diferença. A permanência de Dudu e Bruno Henrique também foi uma sacada boa para a temporada. Se não aprontar, Felipe Melo vai ser importante. O Palmeiras tem ainda toda a cobrança pelo investimento da patrocinadora e pelo estádio sempre lotado na Pompeia. Tudo isso cria um clima favorável.

É claro que Palmeiras e Flamengo precisarão mostrar seu favoritismo dentro de campo, com boas partidas e boas vitórias, contagiando sua gente e ganhando confiança, como o Grêmio fez na campanha de 2017.

Me cobrem depois, como costumo falar para o Haisem e Carol, apresentadores do Jornal Eldorado, toda manhã quando dou meus palpites.