Flamengo e Vasco tomam frente na volta (precipitada) do futebol do Rio nesta semana

Nem o Estadual de Santa Catarina, o primeiro a apontar com a retomada, vai começar neste mês. Lá, a previsão é 8 de julho

Robson Morelli

16 de junho de 2020 | 11h10

O Campeonato Carioca está por um “sim” dos órgãos competentes de saúde do Rio para ser retomado nesta semana. A previsão é começar sábado, com o jogo entre Flamengo e Bangu, no Maracanã, mas já pode mudar para quinta-feira, a fim de antecipar a volta precipitada do futebol no Estado. Dos clubes que jogam a primeira divisão do Carioca, apenas Botafogo e Fluminense foram contrários à determinação e não garantiram que vão estar com seus respectivos times em campo nas datas marcadas. Estou com eles. Se tivesse saindo de casa, compraria hoje mesmo uma camisa do Flu e do Fogão. Não dá para retomar as partidas nesse momento. Haverá aglomeração nas entradas dos estádios, mesmo definido que não haverá torcida. Duvido que o torcedor não vai aparecer ou se reunir nos bares (fechados) para ver a partida como todos fazíamos antes da pandemia.

Pandemia? Sim, pandemia. Temos uma pandemia para controlar e ainda estamos na primeira onda dela. Talvez fiquemos nela porque as outras ondas estão vindo na cola ainda sem a primeira virar espuma. Daí o perigo. Os jogadores estão entusiasmados porque sentem falta das partidas. Já estão treinando com todo o cuidado necessário. Mas o futebol do Rio poderia esperar um pouco mais, ficar apenas nos treinamentos, ganhar mais duas semanas que fosse para tentar baixar os números da doença.

O Brasil vive um abre e fecha danado de suas atividades comerciais. Estados que estavam com baixo índice de mortalidade e contaminação tiveram novos e mais registros. Alguns outros que eram condenados, se recuperaram. Mas o fato é que a doença ainda está por todos os lados e é preciso mais tempo para abrir vagas de leitos. Ter segurança.

Qual é então a pressa para voltar? A ansiedade pode ser uma explicação. Times grandes do Rio forçam a barra e todos sabem que eles dão as cartas na Federação. Não é diferente em São Paulo ou Minas Gerais. Representantes de Flamengo e Vasco estiveram com o o presidente Jair Bolsonaro para alinhar a retomada. Faz parte das atividades econômicas. Rendas não vai ter. Mas transmissão na TV vai. Venda de produtos num País de desempregados e com 70 milhões de pessoas precisando de auxílio emergencial do governo é pouco provável. Dinheiro de patrocinadores volta a pingar, se é que parou.

É claro que todos nós queremos a volta do futebol, nosso pão de cada dia, mas ele está sendo retomado fora de tempo. Na Inglaterra ele começa nesta semana, e olha que lá o país está há dois meses na nossa frente em relação à pandemia. Cada Estado brasileiro tem sua necessidade e peculiaridade, mas é inegável pelos números que o Rio deveria esperar mais um pouco. A decisão de retomar o Campeonato Carioca é equivocada, fora de hora, sem pensar direito nas consequências e totalmente desnecessária.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolFlamengoVASCOfluminenseBotafogocbf

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: