Foi no dia 20 de agosto de 1995, no Pacaembu, que as entidades descobririam seu fracasso no futebol

Foi no dia 20 de agosto de 1995, no Pacaembu, que as entidades descobririam seu fracasso no futebol

Briga campal entre torcedores de São Paulo e Palmeiras deixou mais de 100 feridos e uma morte

Robson Morelli

20 de agosto de 2020 | 10h31

Faz 25 anos que o futebol fracassou no Brasil, principalmente em São Paulo, em sua organização e segurança. Foi num jogo no Pacaembu entre garotos das categorias de base de São Paulo e Palmeiras que se viu uma das cenas de maior selvageria de torcedores ditos uniformizados. Naquele dia, uma fúria contida vinha das pessoas (não de bem) que estavam nas arquibancadas como nunca havia se visto antes. O pau comeu. Torcedores dos dois times invadiram o campo e uma briga campal começou, sem regras e e sem perdão. Havia muito entulho num setor isolado do estádio em obra, como contou Wilson Baldini Jr. em matéria do Estadão nesta quinta, e aquele material todo armou a todos, dos dois lados.

VEJA O ACERVO DO ESTADÃO

Pauladas, chutes, socos e pedradas. Ninguém recuava. A polícia, em menor número e também dentro de campo, não sabia o que fazer. Ficou olhando tudo aquilo num primeiro momento até, bravamente, tentar colocar fim na confusão. Mais de 100 pessoas ficaram feridas. Um morreu e virou mártir. Estava na briga. Levou uma paulada na cabeça e caiu no chão, onde apanhou mais e mais. Cheguei a fazer reportagem com a mãe desse menino. Pessoas foram socorridas pela única equipe médica no local. Um mar de sangue.

Depois disso, muitas investigações para prender os briguentos foram encaminhadas. Promotores púbicos entraram no caso. Torcidas foram punidas e extintas, mas o futebol nunca voltaria a ser o mesmo, em que pessoas de times diferentes pudessem se sentar lado a lado num estádio. As brigas nunca mais pararam de acontecer. Os efetivos policiais nos campos foram aumentados, assim como o uso de mais tecnologia para identificar as pessoas. Atualmente, os clássicos paulistas não são jogadas com torcedores dos dois lados. Isso antes da pandemia, que tirou a torcida definitivamente nas arenas até segundas ordens.

O fato é que aquela briga marcou o futebol de São Paulo. E descobrimos a falência na organização do futebol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.