Ganso está fechado com a DIS para decidir seu futuro

Robson Morelli

12 de setembro de 2012 | 21h20

O Santos aceita vender Ganso para o São Paulo ou para qualquer outro que despejar na mesa R$ 23 milhões, fatia que pertence ao clube da Vila Belmiro. Já não era sem tempo. A decisão se dá porque o clube se viu numa sinuca de bico. Ganso não joga mais no Santos para não atingir a cota de partidas no Brasileirão que o impediria de mudar de ares depois. A DIS resolveu engrossar ao cobrar do Santos dinheiroque lhe pertence e que não foi pago, numa nítida demonstração de quem tem o poder.

Ao Santos, que só falava em negociar caso o comprador oferecesse o valor da multa rescisória (R$ 53 milhões), não resta outra alternativa a não ser engolir a situação é tentar conseguir um desfecho bom para o clube.

O fato é que não existe contrato nem multa capazes de segurar jogador descontente no clube. Ganso foi às últimas consequências. E foi beneficiado em sua decisão depois de ver o torcedor jogar moedas em sua direção. Ali, Ganso já sabia que não voltaria a atuar mais no time. É claro que tudo no futebol muda num piscar de olhos, mas poucos apostam nesse momento que o meia voltará a vestir a camisa da equipe de Pelé.

Em conversas com amigos semana passada, dirigentes do São Paulo davam como certa a transferência do jogador para o Morumbi. Isso ainda não aconteceu, mas a disposição da diretoria santista de negociar o meia é um sinal de que isso poderá, de fato, ocorrer.

O São Paulo não é o único a sonhar com Ganso. Há outros clubes interessados, e não seria de se estranhar se o Santos desse prioridades a outros. A bem da verdade, quem vai decidir é Ganso. O atleta tem o apoio da DIS, dona de 55% do seu contrato, e se ele disser que quer jogar no São Paulo, o Santos tera de aceitar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.