Globo de olho bem gordo na Copa Sul-Minas-Rio

Serão cinco datas apenas, a começar no fim de janeiro do ano que vem. São 12 equipes em três grupos de quatro. Os campeões de cada chave fazem as semifinais, além do melhor segundo colocado. Tudo em partida única

Robson Morelli

16 de outubro de 2015 | 09h21

A Copa Sul-Minas-Rio, com a participação de 12 times, está no escopo da Rede Globo, que já se interessou pelo torneio de cinco datas apenas, muito provavelmente a começar em 28 de janeiro do ano que vem, entre os Estaduais, que terão nesse período jogos somente nos fins de semana. A CBF não queria abrir mão dos Regionais, sobretudo porque o presidente Marco Polo del Nero sempre foi um defensor do Paulistão, de onde saiu. Ocorre que havia na entidade muito temor de que uma recusa ao pedido dos dirigentes dos clubes pudesse deflagrar revolta geral. Desse modo, Marco Polo aceitou e passou a defender a realização da competição. O cartola, diga-se, quando era comandante da Federação Paulista, sempre bateu à porta da CBF para pedir mais datas para o Estadual de São Paulo. Nunca se contentou com o caminho que a disputa estava tomando, enfraquecida pela quebradeira dos clubes do Interior.

Mas os tempos são outros agora. Uma tabela de grupos foi divulgada pelo jornalista Roberto Alves, com a seguinte formação:

Grupo 1
Cruzeiro
Fluminense
Avaí
América-MG

Grupo 2
Grêmio
Internacional
Atlético-PR
Chapecoense

Grupo 3
Flamengo
Atlético-MG
Figueirense
Coritiba

A CBF não confirma a distribuição. Nem os dirigentes ligados à Copa Sul-Minas-Rio. Espera-se que o formato da competição seja divulgado na terça-feira. Pelos critérios, cada chave terá quatro times, que se enfrentarão. Os campeões se classificam para a semifinal e mais o melhor segundo colocado. A semifinal será em jogo único, como também será a final. Curto e grosso. Serão três datas para a fase de grupos, uma para a semifinal e outra para a final. A Globo passaria todos esses jogos, tornando a disputa mais uma fonte de renda para os clubes participantes. Acredita-se que mais times vão querer participar do torneio em outras edições. Ninguém me tira da cabeça que esse é o primeiro passo para mudar o cenário atual e talvez romper com a CBF nos moldes que ela existe hoje, com seus comandantes. Isso pode fazer os Estaduais cair em desgraça também. Todas as TVs estão de olho nessa programação. Há dentro do grupo liderado pelo ex-presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil, a preocupação de entregar mais esse torneio para a Globo, que já tem todos os outros do País. Não está descartado a formação de um pool de TVs para a transmissão. Seria um passo adiante nos moldes existentes.

Tudo o que sabemos sobre:

Copa Minas-Sul-Rio; futebol; cbf

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.